Sexta-feira, 9 Setembro, 2011

BLACK SWAN In 8 Movements LP

€ 14,50 LP (Edição Limitada) Experimedia

<a href="http://www.youtube.com/watch?v=_JUCNVg9Qc4?hl=en"><img src="http://blog.flur.pt/wp-content/plugins/images/play-tub.png" alt="Play" style="border:0px;" /></a>
<a href="http://www.youtube.com/watch?v=lQDzxPkZ7AI?hl=en"><img src="http://blog.flur.pt/wp-content/plugins/images/play-tub.png" alt="Play" style="border:0px;" /></a>

Entidade misteriosa no reino da electrónica – mais uma! -, Black Swan tem nestes dois discos um encontro fascinante com algumas das figuras que melhor têm trabalhado o drone ao longo dos últimos anos: William Basinski e Leyland Kirby/Caretaker. Editados na norte-americana Experimedia, “The Quiet Divide” e “In 8 Movements” são discos que parecem duas peças únicas, apenas adulteradas pela mudança do lado A para o lado B e pela sugestão de títulos nos rótulos do vinil. Tanto num como noutro, principalmente no primeiro, torna-se difícil distinguir as músicas, a não ser por momentos que esboçam alguma mudança. “The Quiet Divide” é o mais Basinski dos dois, há muitos momentos que fazem recordar os “Loops” com um volume mais alto. Por esse facto, a música de Black Swan ganha uma dimensão quase assustadora, típica de ambiente de filme de terror onde está prestes a acontecer alguma coisa. Mas nunca acontece, entra sempre numa espiral de tensão da qual não sai e que só tende a adensar-se. Esse fenómeno é particularmente entusiasmante no primeiro lado de “In 8 Movements” (que contem os sete primeiros movimentos), há uma vertigem que se vai tornando maior, parte de uma ideia que até parece delicada, calma, mas a sua repetição e ligeiras alterações vão-nos mostrando outro caminho. Dois discos que de certa forma se complementam e que mostram que, mais do que nunca, apesar da quantidade de discos do género que têm saído, alguns revelam-se essenciais. É preciso estar atento.

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , / / Comentar: aqui »