Quinta-feira, 9 Maio, 2013

DEAN BLUNT The Redeemer CD / LP

€ 11,95 CD World Music / Hippos In Tanks

€ 16,95 LP World Music / Hippos In Tanks

[audio:http://www.flur.pt/mp3/HIT025CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HIT025CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HIT025CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HIT025CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HIT025CD-5.mp3]

Os Hype Williams podem ter deixado de existir como os conhecíamos (será? nunca se sabe com eles) mas as notícias dos seus dois membros, Dean Blunt e Inga Copeland, bem como música nova sua tem-nos chegado com uma saudável regularidade. Acabámos o ano com a reedição de “The Narcissist” de Dean Blut, já com a notícia de que haveria um disco novo de Blunt na Primavera de 2013. Pouco depois foi divulgado “Papi”, um dos temas de “The Redeemer” e aí percebeu-se que vinha algo diferente. Surpreendentemente diferente. Mais no campo da sonoridade, convém dizer, porque há uma série de princípios inerentes ao esqueleto das canções, à estrutura dos álbuns, a uma certa imprevisibilidade que se mantêm com vivacidade na cabeça de Dean Blunt. Não poderia ser de outra forma. Tal como “The Narcissist”, “The Redeemer” parece uma falsa ode de um alter ego inventado por Dean Blunt. A grande – e principal – diferença é que desta vez a mensagem foi clarificada e descodificada: por outras palavras, “The Redeemer” é um exímio disco de canções. O disco que Arthur Russell faria hoje com a cabeça de alguém com concentração apenas para canções de três minutos. Não se veja isso como um defeito, mas uma parte do processo de clarificação: quantas vezes não sentimos ao ouvir Dean Blunt e os Hype Williams que aquele som é uma magnífica digestão de quem tem demasiadas janelas do browser abertas e não fica mais de 15 segundos numa? Em vez de perpetuar esse estado, Dean Blunt resolveu edificar isso e estruturar canções com belíssimas orquestrações, uma produção de vozes que tanto lembra o ítalo disco dos anos oitenta como Cat Power no seu melhor. E, claro, a voz de Dean, o cantor soul amargurado que este mundo nunca conheceu. São dezanove temas espalhados por 45 minutos. As ideias rodam a uma velocidade incrível, não se repetem e é quase como se cada tema fosse uma banda-sonora representativa de um género qualquer. Esperávamos isto de Dean Blunt, claro, só não esperávamos que a redenção chegasse tão cedo. O que torna tudo tão mais especial e impressionante. Estamos apaixonados.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »