Terça-feira, 3 Dezembro, 2013

RON MORELLI Spit CD / LP

€ 15,50 € 12,50 CD Hospital Productions

€ 18,50 € 16,95 LP Hospital Productions

[audio:http://www.flur.pt/mp3/HOS407CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HOS407CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HOS407CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HOS407CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HOS407CD-5.mp3]

Em 2012 e em 2013 é indiscutível que Ron Morelli é um dos nomes incontornáveis da música electrónica/dança. Tal como Bill Kouligas na Pan, Morelli tem contribuído para a confusão da fronteira entre dança e electrónica nos últimos dois anos. O seu trabalho na L.I.E.S. é magnífico. A editora poderia ser uma daquelas coisas altamente coladas ao hype, mas a verdade é que ainda hoje falamos dela, os seus discos esgotam com uma rapidez impressionante e, se contarmos os dias, estamos nisto há três anos. Hype? Não parece. Mais do que criar um património, a L.I.E.S. tem sido óptima a construir a ideia de que aquilo que cria é novo. Não o é, mas o modo como o faz, com uma total inocência e desrespeito pela história funciona para a sua missão: desbrava caminho e faz chegar um novo som a novas cabeças que, provavelmente, não chegariam a esse som se tivessem que ir aos livros. De certa forma, a L.I.E.S. é a representação máxima – e bem feita – da cultura do presente incorporada na música de dança: falta de atenção, hedonista e real o suficiente para fazer o mundo acreditar nos seus ideais. Bom ou mau, é o que é. E, talvez por isso, este “Spit” foi um dos álbuns mais antecipados deste último trimestre. Chega-nos às mãos e é de facto uma maravilha, uma obra que apropria os beats comuns que frequentam habitualmente os maxis da L.I.E.S. mas que são adaptados a uma construção que não serve propriamente a música de dança, mas também não são uma composição perfeita para se enquadrar na electrónica. Às vezes, nos seus momentos mais deslocados, faz lembrar a estreia de Rashad Becker neste ano (“Sledgehammer II”) e noutros é um corpo perfeito para um filme de terror. “Spit” é, mais do que um grande disco, um retrato esgotado de uma sociedade, onde o carácter é algo que parece existir não nas pessoas mas em ideias imaginadas e recicladas ao longo do tempo. Algo abstracto sim, “Spit” deixa-nos assim.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »