Sexta-feira, 19 Setembro, 2014

APHEX TWIN Syro CD / 3LP

€ 13,95 CD (multi fold out) Warp

€ 32,50 3LP (triple gatefold) Warp

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

Há praticamente uma década, a série Analord veio mitificar Aphex Twin ainda mais como Mestre no seu mundo. “Syro” não representa nenhum salto radical face à inventividade já conhecida, é talvez uma conclusão, em 2014, de duas coisas: o que se esperaria de um álbum novo de Aphex Twin, por um lado, e o apuro da sofisticada e complexa grelha de sons que conhecemos dele, por outro lado. Ouvimos ecos de “Richard D. James Album”, “I Care Because You Do”, momentos de “Windowlicker” (momento fulcral, com Daft Punk, para ilustrar o que agora se chama EDM). Há um claro peso sintético que parece condensar 20 anos de música electrónica tal como Aphex ajudou a fundar. O álbum nada tem de estranho ou inesperado, nenhuma porta nova para indicar Desconhecido. Reabre, no entanto, algumas várias portas que mais ninguém se mostrou capaz de reabrir como deve ser. Este é, se calhar, o álbum pop de Richard D. James, um novo disco de consagração em que as correntes em que investiu são unidas para os seus fãs clássicos e para pessoal que apanhou o seu som mais recentemente. Breakbeats, jungle, wobbles, blips, ácido e muitos cortes que sugerem o que nos 90s eram puras experiências de laboratório mas que, agora, são agregadores de entusiasmo para quem nasceu a chamar “música electrónica” a quase tudo o que não tem guitarras. “Syro” é a cabeça de uma pessoa que mistura actividade agressiva com um sentido de beleza contemplativa e não vê nada de errado na sobreposição dessas camadas. Extremamente barroco em “Syro U473t8 E (Piezoluminescence mix)”, não deixa quase o menor espaço para respiração, obriga-nos a tomar tudo de uma vez. Aphex Twin reganhou um sentido de urgência meio demente que associamos claramente à sua pessoa (pública, pelo menos), é como se quisesse fazer de novo tudo o que já fez mas mais depressa, em menos tempo e antes que alguém comece a opinar demasiado. No fim de tudo, “Aisatsana” (fácil ler Anastasia ao contrário) abre uma janela para um mundo radicalmente diferente do resto do álbum. Tal como antes tivemos de lidar com tudo junto, agora sim, fazemos a nossa respiração toda de uma vez só.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »