Sexta-feira, 24 Julho, 2015

LUST 885: PEGA MONSTRO


Desde Maio de 2002, praticamente todas as semanas, enviamos uma newsletter com novidades, reposições e comentários a discos. Convencionou-se que seria útil ter uma pequena introdução, geralmente relacionada com algum acontecimento musical dessa semana, ou desse período, ou sobre discos que escolhíamos destacar.

Em Setembro de 2014 resolvemos entregar esse(s) parágrafo(s) a convidados que poderão partilhar connosco e convosco alguns pensamentos sobre música, o mercado, a cena, as cenas, detalhes sobre as suas próprias actividades, etc. Em baixo podem encontrar os textos publicados até ao momento.

—–

24.7.2015
OUÇA
por JÚLIA REIS (PEGA MONSTRO)

A evolução pessoal e transpessoal é o fenómeno mais interessante a que assisto. Duma forma muito concreta, traduz-se em momentos de descoberta ou desbloqueio, um certo alívio da frustração, e na sua posterior materialização. Duma forma geral, creio que é mais ou menos a definição da experiência artística. O que é curioso é poder observá-la em todos os circuitos (isto é, extra-artísticos) e perceber, naturalmente, que é também mais ou menos a definição daquilo que é impressionante, feliz e exclusivamente humano. No sentido de tentar evoluir, aqui ficam as palavras do Agostinho da Silva:
“Se grandes invenções ou descobertas, como o fogo, a roda ou a alavanca, se fizeram antes que o homem fosse, historicamente, capaz de escrever, também se põe como fora de dúvida que mais rapidamente se avançou quando foi possível fixar inteligência em escrita, quando o saber se pôde transmitir com maior fidelidade do que oralmente, quando biblioteca, em qualquer forma, foi testamento do passado e base de arranque para o futuro. A livro se veio juntar arquivo, para o que mais ligeiro se afigurava; e fora de bibliotecas ou arquivos ficaram os milhões de páginas de discorrer ou emoção humana que mais ligeiras pareceram ainda, ou menos duradouras. Escrevendo ou lendo nos unimos para além do tempo e do espaço, e os limitados braços se põem a abraçar o mundo; a riqueza de outros nos enriquece a nós. Leia.
Milhões de homens, porém, no mundo actual estão incapacitados de escrever e de ler, muito menos porque faltam métodos e meios do que incitamento que os levante acima do seu tão difícil quotidiano e vontade de quem mais pode de que seus reais irmãos mais dependam de si próprios do que de exteriores e quase sempre enganadoras salvações. Mais se comunica falando do que de qualquer outra forma; o que nos dizem muitas vezes nos parece de nenhuma importância, mas talvez tenha havido uma falha na atitude de escutar do que no conteúdo do que se disse; porventura a palavra-chave estava aí, mas estávamos distraídos, ou ansiosos por nós próprios falarmos; e no vento fugiu, a outros ouvidos ou a nenhuns. Ouça. (…) Imagem o cerca. Veja.
Mas o que vê e ouve ou lê nada mais lhe traz senão matéria-prima de pensamento, já livre de muita impureza de minério bruto, porquanto antes do seu outros pensamentos o pensaram; mas, por o pensarem, alguma outra impureza lhe terão juntado. Nunca se precipite, pois, a aderir; não se deixe levar por nenhum sentimento, excepto o do amor de entender, de ver o mais possível claro dentro e fora de si; critique tudo o que receba e não deixe que nada se deposite no seu espírito senão pela peneira da crítica, pelo critério da coerência, pela concordância dos factos; acredite fundamentalmente na dúvida construtiva e daí parta para certezas que nunca deixe de ver como provisórias, excepto uma, a de que é capaz de compreender tudo o que for compreensível; ao resto porá de lado até que o seja, até que possa pôr nos pratos da sua balancinha de razão. A tudo pese. Pense.” in ‘Textos e Ensaios Filosóficos’.

—–

muitas das palavras que júlia reis (e a sua irmã, maria) querem dizer ao mundo estão, por agora, nesse corpo explosivo chamado pega monstro. na semana em que “alfarroba” aparece nas lojas, pedimos algumas palavras mais sobre esta etapa, sobre como a evolução para o segundo álbum acontece e tudo se materializa num conjunto de canções certeiras. no meio do labirinto que é a evolução, entram, bem a propósito, as palavras de agostinho da silva.



/ / Etiquetas: / / Comentar: aqui »