Terça-feira, 25 Outubro, 2016

DJ NERVOSO EP 12″

€ 10,95 12″ Príncipe

[audio:http://www.flur.pt/mp3/P016-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/P016-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/P016-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/P016-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/P016-5.mp3]

Para quem está activo agora na cena musical que gira em torno da Príncipe, DJ Nervoso começou tudo. Foi pouco depois do início do século, e as festas em que tocava tornaram-se lendárias na comunidade, conseguindo ele o privilégio de ser um dos raros DJs a ser requisitado para tocar em diferentes bairros. O nível de intensidade da sua música nem sempre foi bem compreendido, provocando por vezes alguma desordem nas festas. Mas para ele essa música sempre foi uma energia feliz, transbordante. Nervoso adaptou o padrão do kuduro angolano para poder tocar a batida sem alienar as pessoas que não sabiam dançar os passos certos associados ao género. Despiu a estrutura e, como se pode ouvir na sublime “27aca” (quarto clip de som), criou uma espécie de techno com base africana. Ouvimos algumas coisas de, por exemplo, DJ Firmeza e DJ Marfox e percebemos bem melhor o que eles querem dizer quando assumem a influência das batidas do Nervoso. Apesar dos anos e da autoridade, este é o primeiro EP em seu nome. Nervoso foi convidado a entrar na célebre compilação dos DJs Di Gueto em 2006, eles próprios influenciados por ele, juntando-se assim ao seu ídolo, mas a sua abordagem à produção sempre esteve mais ligada às festas em que ia tocar e não tanto ao desejo de reunir música para edições. Ele ri-se e diz que, normalmente, as suas faixas de que as pessoas gostam são as de que ele menos gosta. “Ah Ah” corre a um ritmo mais lento e tem a sua voz, em directo, a acompanhar a batida, parecendo ao mesmo tempo em esforço e alívio. Vão ouvir esta música poderosa feita na nossa terra, achamos que é importante.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »