Quinta-feira, 25 Maio, 2017

COLIN NEWMAN It Seems LP

€ 10,00 LP Restless / Crammed (72260-1)

Exemplares originais da prensagem norte-americana de 1988 / Original 1988 US pressing. Sound clips and sleeve not from actual copy.

OUVIR / LISTEN:
Quite Unrehearsed
The Rite Of Life
It Seems
Not Being In Warsaw
Round & Round

O último álbum de Colin Newman na década de 80 ainda consegue diversificar a sua abordagem pop. “It Seems” é o primeiro disco onde ele explora a produção digital de música e isso é totalmente notória na natureza dos sons que compõem as canções. Uma espécie de tom minimalista, meio tempo entre vibrafone e teclas; algumas cordas falsas; sons claros que identificamos com outro universo musical (new age / library dos 80s e 90s). As melhores canções no álbum – e são várias – são aquelas que transmitem uma sensação de espaço e brisa a circular por entre os sons assumidos como artificiais (ouçam-se, por exemplo, “The Rite Of Life” ou “It Seems”), por vezes com certa aspiração a serem “clássicos”. Grande álbum improvável que vibra, hoje em dia, de uma forma talvez inacessível para ouvintes da época. Têm de ouvir isto. Exemplares selados, com corte promocional na parte inferior da capa.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Terça-feira, 28 Março, 2017

LULA PENA Archivo Pittoresco CD

€ 13,95 CD Crammed Discs

“Arquivo Pittoresco” é apenas o terceiro álbum de Lula Pena, depois de “Phados” (1998) e “Troubadour” (2010). Parece pouco para alguém que, de certa forma, tem estado presente nas últimas duas décadas, mas é um número que expressa, em parte, o carácter metódico e, por outro, a segurança que quer quando regista o trabalho e as canções que desenvolve ao longo dos anos. Ao terceiro álbum a Crammed encontrou-a, editora que a veste bem, habituada a editar peixes que nadam sozinhos nos seus próprios lagos. A música e a voz de Lula Pena são únicas, as suas interpretações orgânicas e não obedecem a fronteiras, há uma fluência continua entre uma folque tradicional e jeitos mais ligados à pop. Ao longo de “Arquivo Pittoresco” (onde canta em português, francês, inglês, espanhol, grego, italiano) há um encontro completo com o universo de Lula Pena, um que se realiza em cada canção e que oferece um raro sentimento de plenitude.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Terça-feira, 14 Junho, 2016

SUSSAN DEIHIM / RICHARD HOROWITZ Desert Equations: Azax Attra – Made To Measure Vol. 8 LP

€ 10,00 LP Crammed (MTM8LP)

Exemplares originais de 1986 / Original 1986 release. Sound clips and sleeve not from actual copy.

OUVIR / LISTEN:
ÁLBUM COMPLETO / ENTIRE ALBUM

Não é bem falsa Exotica, é genuinamente exótico de acordo com os cânones da década de 80, onde se adensaram muitos experiências com Sons do Mundo, não necessariamente oriundas de locais ocidentalmente remotos mas frequentemente, como neste álbum, com fortes ligações a outras partes. Sussan Deihim parte do Irão, via Suiça, para Nova Iorque, onde, através do seu envolvimento em artes de palco (na Suiça fez parte do Ballet Bejart) acaba por se cruzar com Horowitz. A composição electrónica deste disco contribui decisivamente para que as origens de Deihim brilhem de uma formanão afectada por considerações de localidade. Não é música iraniana mas sim uma interpretação neutra de sons globais através do filtro da experiência de Deihim e das ideias de Horowitz. O cenário poderiam ser as areias de um deserto, como sugerido pelo título e pela capa, mas na verdade é algo transnacional que se pode colocar no mesmo plano do mundo inventado por Jon Hassell e Brian Eno. “Desert Equations” mostra, no entanto, música mais expressiva e extrovertida, assinalada muito pela voz em estilo livre de Deihim. Cápsula de tempo cheia de pontos de interrogação quanto à localização precisa. Para perder o rumo.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 20 Abril, 2016

THE HONEYMOON KILLERS Les Tueurs De La Lune De Miel LP

€ 15,95 LP (+mp3) (2016 reissue) Crammed

[audio:http://www.flur.pt/mp3/CRAM013LP-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM013LP-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM013LP-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM013LP1-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM013LP-5.mp3]

A história diz tudo para bater certo. No início da década de 1970 Yvon Vromman formou em Bruxelas a banda Les Tueurs De La Lune De Miel. Mais tarde, juntou-se a Gérald Fenerberg, Jeanf Jones, Vincent Kenis e Marc Hollander (Aksak Maboul e fundador da Crammed Discs). Assim nasceram os The Honeymoon Killers, uma mistura perfeita entre a No Wave de Nova Iorque, a pop francesa da altura e jazz (embora aqui o jazz se possa relacionar directamente com a No Wave). Para coisas mais presentes do passado, os Honeymoon Killers são uma espécie de versão mais amanhada de uns Family Fodder ou de uns 49 Americans, não quer dizer que sejam melhores, mas há um requinte mais romântico nas suas músicas. Naquela esquizofrenia há uma espécie de perfeição em como fazer o cruzamento entre géneros e, de repente, completar a ideia e estrutura de uma música pop: o início de “Fonce A Mort” atira-nos logo para Liquid Liquid e, segundos depois, estamos em DNA, mas sempre com uma funcionalidade pop perfeita. Um clássico e um daqueles discos obrigatórios da Crammed finalmente reeditados em vinil.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 18 Abril, 2016

KONONO Nº1 meets BATIDA LP

€ 24,50 2LP Crammed

[audio:http://www.flur.pt/mp3/CRAM261LP-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM261LP-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM261LP-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM261LP-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM261LP-5.mp3]

África com África, explosão. E se for em Lisboa? Já não parece novidade, mas acontece que Konono Nº1 e Batida se juntaram a Papa Juju dos Terrakota, à vocalista Selma Uamusse (oiçam-na na Flur no próximo dia 30, ao vivo) e MC AF Diaphra. Sai ritmo por todos os poros, uma máquina pulsante de regulação do corpo para uma vida intensa, extasiante, com o som meio eléctrico de Konono a pairar sobre as percussões. Este álbum soa notoriamente mais africano, contagiante, talvez menos divertido mas esta música não tem de ser “engraçada” e sim energética, positiva na acção. Vai tudo atrás. Um arraso.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 17 Março, 2016

MARC HOLLANDER / AKSAK MABOUL Onze Danses pour Combattre La Migraine LP

€ 16,95 LP + mp3 (2015 reissue) Crammed Discs

[audio:http://www.flur.pt/mp3/CRAM011LP-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM011LP-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM011LP-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM011LP-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM011LP-5.mp3]

Numa época em que o acesso à informação é mais facilitado do que nunca, é com alguma incredulidade que se repara – e basta navegar nas redes sociais e perceber os likes – de como a cabeça das pessoas continua tão tacanha. Isto para dizer que – por incrível que pareça – hoje é mais difícil fazer-se um disco tão variado, arriscado e exploratório como este “Onze Danses Pour Combattre La Migraine” como em 1977. E uma das razões para voltarmos tanto ao passado, tanto às reedições, ou redescobertas, é precisamente esta vontade de explorar, este encontro com música que não encaixa em grupinhos: ainda existe, mas por inúmeras razões, em menor escala. E há um charme imenso naquilo que Marc Hollander e Vincent Kenis concretizam neste disco, seja pelo desejo de fundir vários géneros e derrubar uma certa barreira que existia com a música étnica – estávamos em 1977 – ou pela liberdade com que discursam na electrónica sem medo de parecerem ingénuos. E quando são ingénuos, logo a seguir entregam outra dose de ingenuidade (há muitas em “Onze Danses…”), e logo a seguir outra, e às tantas percebe-se que isso é o charme deste disco, é a frase de engate, uma estrutura que não recusa a experimentação com algumas barreiras e que tanto toca no minimalismo como no rock progressivo daquela década. E à medida que o disco corre entende-se que não é easy listening, library, jazz ou electrónica, é o que é. Às vezes tem groove, outras vezes tem uma criança insuportável a cantar (e, acreditem, é encantador, de uma certa forma), outra vezes fala de um futuro qualquer que não aconteceu. É um disco ilimitado, refinado e sem grande vontade de se enfiar em convenções. Que irreverente.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 24 Janeiro, 2014

STEVEN BROWN, BLAINE L. REININGER, MAXIME BODSON Clear Tears / Troubled Waters CD

€ 17,50 € 12,50 CD Made To Measure / Crammed

[audio:http://www.flur.pt/mp3/MTM39-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/MTM39-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/MTM39-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/MTM39-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/MTM39-5.mp3]

O renascimento da série mítica Made To Measure não é um acontecimento porque, já em 2006, o óptimo “Bardo Hotel” dos Tuxedomoon tinha interrompido a hibernação da contagem que ficara no volume 37 com “Glyph” de Budd & Zazou. Antes disso, relembramos uma colecção de obras que deram um sabor incrível aos anos 80 e um pouco dos anos 90. Ainda assim, este volume 39 não deixa de ser algo para se prestar muita atenção, até porque estão cá dois dos mais regulares ocupantes da Crammed e das suas séries. Steven Brown e Blaine Reininger continuam a dar-se bem, o que é bom, e para “Clear Tears/Troubled Waters” juntam-se a Maxime Bodson para fazerem a banda sonora para uma coreografia de Thierry Smits. Desenhada para ser uma peça para 5 dançarinos e 3 músicos, os dois Tuxedomoon juntaram os seus préstimos ao jovem sound designer Maxime Bodson, escrevendo som e música para serem tocados ao vivo, em palco, sublinhando movimentos e ambientes. Não há um plano sequencial sonoro identificável, embora se sinta um corpo de trabalho nos diferentes quadros/temas. Talvez não seja tão imponente como outros trabalhos da dupla Brown/Reininger, mas graças a Bodson há modernidade para nos aconchegar.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »