Quarta-feira, 14 Setembro, 2016

JONI MITCHELL The Hissing Of Summer Lawns CD

€ 7,50 CD Elektra

[audio:http://www.flur.pt/mp3/7559-60332-2-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/7559-60332-2-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/7559-60332-2-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/7559-60332-2-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/7559-60332-2-5.mp3]

Editado em 1975 e com recepção pouco favorável, foi um álbum que cimentou Joni Mitchell como alvo de forma comparável a Bob Dylan quando electrificou a sua música (Mitchell colocou-se a jeito com o álbum anterior “Court And Spark”). O padrão singer-songwriter mais rígido e tão caro à crítica mais conservadora desvanece-se a cada canção que passa em “The Hissing Of Summer Lawns”. Experiências com o formato de canção, com harmonias, recordam por vezes Steely Dan ou Todd Rundgren, e nada disso significa abdicar da melodia, como foi acusada na época. O foco confessional foi também alterado para um formato de narração e não de confissão na primeira pessoa (alegadamente o álbum não contém uma única vez o sujeito “I” como centro da acção narrativa). “The Jungle Line”, a segunda canção no álbum, excede-se na desconstrução do formato, e aqui sim, a noção tradicional de melodia pode ser colocada em causa. No entanto, como não apreciar o modo como Mitchell compõe por cima de uma trilha directamente retirada de um álbum de percussões do Burundi (que mais tarde re-emergem como clássico afro-cósmico como Burundi Black)? Prince citou “The Hissing Of Summer Lawns” diversas vezes e Joni Mitchell revelou que é verdade que ele lhe escrevia cartas de fã apaixonado. Um álbum que redefine, ainda, a ideia linear que se tende a formar sobre soft rock como estéril. Novo standard após “Blue” (1971), muito superior a qualquer média que se imagine na escrita de canções.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 31 Janeiro, 2014

DONALD BYRD Love Has Come Around / I Feel Like Loving Tou Today 12″

€ 8,95 12″ Elektra

[audio:http://www.flur.pt/mp3/AS-11532-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/AS-11532-2.mp3]


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 13 Dezembro, 2012

THE STOOGES The Stooges CD / 2LP

€ 7,95 CD Elektra

€ 24,50 2LP (Remastered & Expanded, 2005) Elektra

OUVIR / LISTEN

A ex-banda de apoio dos MC5 não teve vontade de adensar o comprometimento político como essa outra banda de Detroit. E assim, os Stooges espalharam um certo niilismo sempre necessário para endireirar as coisas. A produção de John Cale, após o encontro em Nova Iorque (onde, aliás, este álbum foi gravado), o contacto com Velvet Underground, com Nico, tudo de algum modo foi filtrado por Iggy Pop, os irmãos Asheton (em quem Iggy afirma que reconheceu “o homem primitivo”) e Dave Alexander em escrituras ainda hoje seguidas por quem se interessa a sério por rock. Algumas canções foram tocadas e gravadas num só take, compostas em cima do joelho para preencher um álbum até aí demasiado curto. Por esse motivo também, “We Will Fall” é um mantra de 10 minutos que segura confortavelmente a duração do álbum. Foi uma proposta de Dave Alexander para gravarem algo com base no “Om”. O som cristalino do álbum não compromete em nada o perigo que se sente nas letras, que se sente ao vivo quando se assiste a um concerto em que Iggy dá tudo, com risco físico, libertando todo o poder adolescente e pós-adolescente encerrado na maioria dos humanos. A identificação com o ano (“1969″), com a vida (na mesma canção, Iggy canta “another year with nothing to do”), com o estado absurdo da nação americana, a pura catarse, o desejo, tudo traduzido em riffs memoráveis, bateria tribal, baixo muito seguro (providencia um fundo para o resto da acção, como se fosse mesmo necessário um tapete para evitar que o caos se instalasse), entrega vocal suada, sarcástica, desesperada, sexy. Não há um defeito a apontar.

Extras:
C1 No Fun (Original John Cale Mix) 4:42
C2 Little Doll (Original John Cale Mix) 2:48
C3 Not Right (Alternate Vocal) 3:10
C4 Real Cool Time (Alternate Mix) 3:20
C5 I Wanna Be Your Dog (Alternate Vocal) 3:26
D1 1969 (Alternate Vocal) 4:45
D2 Ann (Full Version) 7:50
D3 No Fun (Full Version) 6:49

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 29 Novembro, 2012

THE STOOGES Fun House CD / 2LP

€ 7,95 CD Elektra

€ 24,50 2LP (Remastered & Expanded, 2005) Elektra

OUVIR / LISTEN

O segundo álbum dos Stooges volta a fixar o ano de edição (“1970″) e reforça a posição da banda como a maior força rock n roll no planeta. Steve Mackay, em saxofone, trazia algo da cena free jazz que interessava a banda, basta ouvir “L.A. Blues” (no documentário de Jim Jarmusch, Iggy Pop fala com paixão da improvisação livre que a banda fazia em muitos ensaios e concertos). Iggy mencionava Howlin’ Wolf como grande influência para o modo como usou a voz neste álbum e a sua vontade em trazer para o formato, o melhor que conseguia, o espírito e força dos músicos e cantores negros que admirava. Na gravação de “Fun House”, em L.A., foi necessário adaptar o estúdio para se assemelhar ao cenário dos concertos, de outra forma a banda simplesmente não estava a sentir a música. O álbum faz um par perfeito com o anterior, e percebe-se como, daqui, saíram as faíscas para as gerações seguintes e para o punk. A vontade de rasgar precedentes era tal que, em concertos por ocasião de “Fun House”, os Stooges praticamente não tocavam canções do primeiro álbum, o que motivava alguma frustração em certos fãs como um dos Ramones (não recordamos qual, mas se virem o documentário ele é nomeado), que se queixou de haver “demasiado material novo” num concerto a que assistiu. “Dirt” é longa (7 minutos), sexy e bluesy. Tudo bom.

Extras:
C1 T.V. Eye (Takes 7 & 8) 6:01
C2 Loose (Take 2) 3:42
C3 Down On The Street (Take 8) 4:08
C4 Dirt (Take 4) 7:08
D1 Lost In The Future (Take 1) 5:50
D2 1970 (Take 3) 7:27
D3 Fun House (Take 2) 9:14

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 8 Abril, 2011

Dept. Of Sunshine “Rude Boys” – EXEMPLARES ORIGINAIS em stock

dep of sunshine

DEPT. OF SUNSHINE
Rude Boys (vocal) + Rude Boys (dub vocal) + Space Tropics (Rapp-Sody)
12″ Elektra

Exemplares originais de 1984 em óptimo estado – 10 eur ESGOTADO!
Exemplar original de 1984 ainda selado! – 12 eur ESGOTADO!

Esta discussão está no fórum DJHistory.com. Data de 2008:

- “Hi all, James Murphy played that song in his BIS mix some months ago, I love the tune but i dont know anything about the band or track, i googled it but i got only the James mix. Anyone can give me some info about this tune? Thanks in advance”
- “Did you also notice that Tim played it a couple of months earlier. His playlist says it’s on Elektra. Other than that I know nothing about it. There’s one on Gemm for a mere $357. What’s it worth to you?”
- “I have the 12″ on Elektra. Came out in 1984 and was written by Steve D’Aquisto & Eric Calvi. 2 cuts on one side, the dub and then the vocal. I play the dub myself. B side is a track called Space Tropics (Rapp-sody) which is cool also.”
- “yep as said in the other thread, mark 7 had it on a mix years back. maybe the dfa boys were listening in… there’s 3 mixes, vocal, dub, instrumental. killer stuff.”

Todos vocês que já andaram a ler a sério sobre Disco sabem quem é Steve D’Acquisto. Muito resumidamente, é um dos DJs originais da implantação da cena Disco em Nova Iorque, ainda na primeira metade dos 70s. No final da década trabalhava com Arthur Russell e, em 1984, assinava a co-produção de “Rude Boys”. Como se percebe pela discussão acima, nada mais se consegue saber sobre Dept. Of Sunshine para além da info que vem no próprio disco. Tropeçámos nele por acaso há alguns anos e passou muito tempo até conseguirmos mais do que um exemplar para vender. Para além de raro, é um disco que se encontra num ponto de confluência (ou passagem) entre Disco, New wave, freestyle, Nu Yorica e pop electrónica. Duas versões e uma recriação mais longa e mais latina no lado B. Oiçam os clips e pensem que estes exemplares (muito poucos) estão com aspecto de nunca terem sido tocados. São a versão promocional com rótulo impresso e capa genérica da Elektra. Para além desses, temos UM EXEMPLAR SELADO da edição oficial, que difere da promocional apenas na cor dorótulo e na referência. Nestas condições e a estes preços será muito difícil encontrarem melhor negócio, bitches.

[audio:http://www.flur.pt/mp3/ED4994-1.mp3]
[audio:http://www.flur.pt/mp3/ED4994-2.mp3]
[audio:http://www.flur.pt/mp3/ED4994-3.mp3]


/ / Etiquetas: , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 1 Junho, 2007

NICO The Marble Index CD

€ 7,50 CD Elektra


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , / / Comentar: aqui »