Segunda-feira, 15 Outubro, 2018

V/A Diggin In The Carts: A Collection Of Pioneering Japanese Video Game Music CD / 2LP

€ 14,50 CD Hyperdub

€ 32,95 2LP Hyperdub

Atitude ousada e justificada num momento em que se começa a dar atenção à música electrónica produzida para animação e videojogos japoneses ao longo das décadas de 1980 e 1990. São criações distintas, contudo, a abertura de uma tem permitido que o universo da música criada para videojogos ganhe algum respeito, aceitação e se perceba a sua influência na música electrónica de artistas que surgiram na última década: muitos cresceram com estes sons nos ouvidos. “Diggin’ In The Carts” puxa logo pela referência aos cartuchos de videojogos e as especificidades dos seus sons próprios e exequíveis nas placas de som das consolas e das arcadas. As limitações deram caminho à criatividade e a partir de uma série de documentários produzidos pela Red Bull Music Academy, com o mesmo título desta compilação, Nick Dwyer e Kode9 resolveram explorar um universo e fazê-lo sair de um nicho. Os temas curtos e directos de “Diggin’ In The Carts” são um exercício de nostalgia para quem jogou alguns destes videojogos, para os que desconhecem é um mundo admirável de acção, tensão e sons com um ritmo muito próprio e um beat que cria uma narrativa imediata: é fácil perceber, imediatamente, os sons de níveis de boss ou de momentos mais genéricos de um videojogo. Contam uma história breve e na sua presumível simplicidade – audições prolongadas e mais atentas maximizarão a experiência deste tipo de composição – revelam um mundo que esteve sempre à mão de semear mas que só nos últimos anos está a ter a devida atenção. A história da música electrónica também se faz por aqui. E sem esta cultura e o rasgo de génio de quem conseguiu criar estas pequenas maravilhas dentro das limitações de um cartucho não teríamos alguma da electrónica que ouvimos hoje.

“By layering and rearranging a small palette of pure sound waves, game music of the 1980s and early 90s was experimental by sheer necessity, and there was no mixing and mastering, which in the context of that era, meant less commercial airbrushing. (…) The compilation’s laser-guided focus on sound wave fits it neatly into the Hyperdub catalogue, and many interludes could be beatless Zomby instrumentals, though there’s often a weightless, elliptical feel that’s strinkingly out of step with the baning beats and samples that were soundtracking games in arcades and one home computers like Commodore Amiga in the early 1990s. Still, Hyperdub has made being out of step nto an art form over the last decade or more, and ‘Diggin’ In The Carts’ is the most inventive video game music compilation in living memory.” Derek Walmsley, The Wire #406

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 5 Fevereiro, 2018

DATACIDE Ondas CD

€ 16,50 CD (RI 040) Rather Interesting

Exemplares originais SELADOS da edição alemã de 1996 / Original 1996 German release. SEALED. Sound clips and sleeve not from actual copy.

OUVIR / LISTEN
Holy Microwave
Good Vibe
Onsurf (Hello Mr. Wilson!)
Eternal Frequency


Em 96, Uwe Schmidt e Tetsu Inoue já traziam no currículo três Datacide (“I”, “II” e “Flowerhead”), mas “Ondas” representa uma outra avenida, em consonância com a presença forte, na época, da exotica, lounge e easy listening na pop e na música de dança. Burt Bacharach, Les Baxter, Martin Denny e, até, a exotica pop de Brian Wilson (há aqui uma faixa chamada “Onsurf (Hello Mr. Wilson!)”. “Ondas” reinventa de facto a postura em relação ao revivalismo “easy”, não só através de uma certa distância digital que dá à música uma qualidade de miragem mas também reforça a nostalgia, que deixa de ser palpável como outros eram na época (crooners a imitar crooners ou secções de cordas a imitar clássicos) para se assumir mais abstracta e, com isso, universal. Além disso, as faixas, relativamente longas, são quebradas por diversos ambientes no mesmo espaço, mudando abruptamente de tom (“Holy Microwave” é um excelente exemplo). Álbum magnífico para escutar com rigorosa atenção, para aceder devidamente a um “mundo de prazer”.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 6 Dezembro, 2017

JUN FUKAMACHI Nicole (86 Spring And Summer Collection – Instrumental Images) CD / LP

€ 12,50 CD (2017 reissue) We Release Whatever The Fuck We Want

€ 22,50 LP (2017 reissue) We Release Whatever The Fuck We Want

Bem presente, temos insistido nos universos de música funcional que muito têm ocupado editoras sobretudo dedicadas a reedições, como é o caso da WRWTFWW. Fukamachi compôs a música neste disco para a marca de roupa Nicole, fundada em Tóquio ainda na década de 60. Ficando por imaginar o efeito real na passerelle, em 1986, restam as sensações destes sons sem lugar definido, muito familiares e simultaneamente alienígenas, definindo um Oriente vago, como se estivesse a ser descrito a alguém que o desenhasse. Electrónica, música contemporânea e forte afinidade com música de arquivo (library). Oiçam “Shining Through” e terão dificuldade em resistir ao optimismo que a música promove. Em “Early Summer”, qualquer coisa nas cordas recorda a banda sonora de Ryuichi sakamoto para “Merry Christmas Mr. Lawrence”. Assim seguimos tranquilos. Para colocar junto a “Music For Commercials” de Yasuaki Shimizu.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 27 Novembro, 2017

MICA LEVI Delete Beach 2×10″

€ 29,50 2×10″ DDS

[audio:http://www.flur.pt/mp3/DDS024-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DDS024-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DDS024-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DDS024-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DDS024-5.mp3]

Mica Levi é um dos nomes mais importantes da electrónica actual. Criou uma escola de sons, as suas bandas-sonoras, “Under The Skin” e “Jackie”, são um portal para outra dimensão. Ouvidas fora do contexto são um intenso mundo de experiências e sons, uma realidade paralela abstraída de qualquer humanidade, em que só existe o poder e as formas do som. “Delete Beach” sonoriza o filme de animação de Phil Collins e é um passo em frente no seu trabalho, não só no que diz respeito a bandas-sonoras, mas também o que tem realizado fora desse âmbito. As ambiências de Mica Levi são únicas, há uma surpresa iminente, um confronto constante entre os sons do quotidiano e som de outra dimensão. Envolve até onde pode, depois constrói em cima dessa envolvência para tornar o ouvinte numa personagem habitável/não-habitável nesse universo. Essa característica na sua música, de constante inclusão e exclusão do ouvinte é um dos factores primordiais da música de Mica Levi, ela quer e não nos quer lá, e é nesse confronto, ou campo de batalha, ou um não-espaço, que o melhor das suas composições acontece. Constrói música, som, que não devia existir: um pouco como os Hype Williams fizeram e ainda fazem. Mas no caso de Mica Levi não há rotas, é um constante desnorte. Nunca se está no seu mundo, está-se noutro sítio, ou não-sítio, qualquer.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 27 Novembro, 2017

ERRORSMITH Superlative Fatigue 2LP

€ 22,95 2LP PAN

[audio:http://www.flur.pt/mp3/PAN81-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PAN81-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PAN81-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PAN81-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PAN81-5.mp3]

“Superlative Fatigue” é um álbum há muito prometido – e esperado – que demorou anos para ver a luz do dia: estava nas listagens da PAN há algum tempo. Errorsmith não editava há 13 anos, mas esteve sempre activo. Tem estado presente em muitas festas com música que comunica com o presente e havia um entusiasmo crescente do que poderia sair da mente de Erik Wiegand. O segredo foi desvendado e este “Superlative Fatigue” é uma configuração abstracta da música de dança mais actual dos dias de hoje (com Príncipe à cabeça, é claramente notória a influência da Príncipe na desconstrução metódica de Errorsmith). Música android, existencial, em sintonia com os melhores dias da PAN. Um futuro clássico. Cópias muito limitadas.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 27 Novembro, 2017

POWELL New Beta Vol. 2 LP

€ 16,95 LP Diagonal

[audio:http://www.flur.pt/mp3/DIAG041LP-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DIAG041LP-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DIAG041LP-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DIAG041LP-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DIAG041LP-5.mp3]

Depois de ter lançado “Sport” (XL, 2016), Powell encontrou uma necessidade de explorar, cortar com o som que fechou um ciclo com o seu disco na XL: que é, na verdade, o seu primeiro, depois de imensos maxis e da compilação que os reunia. “Sport” fantasiava com o passado, era a maximização de uma fórmula que tinha de chegar ao seu fim antes de estagnar. Há uns meses Powell surgiu com “New Beta Vol. I”, uma revitalização no seu som, dado a um tipo de experimentação diferente mas com a abordagem quebra-regras/fronteiras de sempre. É um campo de testes, Powell anda a brincar com novo material, a criar pontos de abstração diferentes e a apontar para uma versão dos Autechre desta década. Os Autechre talvez seja a sua maior fonte de inspiração, o corte, o trabalho, a aproximação dos ritmos electrónicos a um fraseado de jazz chamam a referência, embora seja claro que o que os aproxima fica só aí: Powell tem um som de outra escola e está preocupado em renovar a música de dança do que a electrónica. “New Beta Vol. II” é mais um campo de testes, mais redondo do que o volume anterior e com alguns temas que são autênticos strobes de sons: o mais evidente é o magnífico “Rudeboy, Let’s Funk”. Estamos a adorar este novo som de Powell.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 16 Novembro, 2017

THE WIRE #406 (December 2017) REVISTA

€ 6,95 REVISTA The Wire

A capa mostra as identidades escondidas dos Quantum Natives, enredados no mundo virtual que podemos explorar online, no seu site. Como um jogo de computador na perspectiva de um drone, como o Google Maps, como os videos de techno nos 90s. É o destaque principal nesta edição onde a Príncipe volta a ter um canto – crítica a “Sonhos & Pesadelos” de DJ Lycox, confirmando o que já sabíamos, no íntimo. Ainda Thomas Bonvalet, Raven Chacon, Kapiw & Apappo, um olho no Haiti, Mary Jane Leach, Invisible Jukebox com Tyshawn Sorey, retrospectiva Hüsker Dü por Simon Reynolds, toneladas de críticas e portas abertas para mundos que ainda não conhecemos. É consumidor.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation


/ / Etiquetas: , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 16 Novembro, 2017

COLLEEN A Flame My Love, A Frequency CD / LP

€ 14,50 CD Thrill Jockey

€ 18,95 LP Thrill Jockey

[audio:http://www.flur.pt/mp3/THRILL449CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/THRILL449CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/THRILL449CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/THRILL449CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/THRILL449CD-5.mp3]

A música de Colleen é uma bolha de contemplação, um lugar seguro em que isso está presente e onde o receio da bolha rebentar é inexistente. A sua música aconchega e por mais fronteiras que desafie, sabe-se que se está num local de confiança. “A Flame My Love, A Frequency” ameaça testar esses limites, logo no início com a lindíssima “Separating”, mas ao fim de uns minutos enrolados nas texturas dos seus sintetizadores percebe-se que o envolvimento na nuvem de Colleen não vai desaparecer. Aconchega, abraça, os sons começam a trazer calor humano com a voz de Colleen, mesmo que seja residual, esparsa, esotérica. E está lançado o mote para o disco, um belíssimo disco de electrónica, homenageando um passado que tanto passa por Delia Derbyshire e Suzanne Ciani como os Kraftwerk de “Radioactivity” ou a descoberta disto tudo dos Radiohead em “Kid A”. Colleen vai mais longe e cria um crescendo, as texturas – a nuvem-Colleen – assumem uma forma que envolve o ouvinte como nunca se ouviu num álbum de Colleen. Maturidade, inocência e o céu juntos para um magnífico acontecimento. Mais um de Colleen, o seu melhor até à data.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Terça-feira, 14 Novembro, 2017

OBA LOBA Sir Robert Williams LP

€ 21,50 LP Three:Four / Silent Water

[audio:http://www.flur.pt/mp3/SW013-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SW013-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SW013-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SW013-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SW013-5.mp3]

Depois de “Oba Loba”, Norberto Lobo e João Lobo viraram o seu projecto para o nome do álbum, integrando assim o desejo mais composicional e maior do grupo, assumindo o nome Oba Loba para este “Sir Robert Williams”, onde se juntam Ananta Roosens, Lynn Cassiers, Jordi Grognard e Giovanni Di Domenico aos dois Lobos. Aqui o desejo de ambos em criar orquestrações fica mais claro e transcende o lado mais funcional do álbum anterior. O som é mais robusto, redondo, e tanta encaixa no efeito “banda-sonora” como numa aventura num corredor estreito pela música contemporânea. Talvez o mais notório em “Sir Robert Williams” é sentir-se que são peças que estão menos presas à guitarra e mais fixas no espaço, no domínio, criado pela electrónica. Celestial.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Terça-feira, 14 Novembro, 2017

SUZANNE CIANI Help, Help, The Globolinks! LP

€ 18,95 LP Finders Keepers

“Help, Help The Globolinks!” é a interpretação de Suzanne Ciani da ópera para crianças composta por Gian Carlo Menotti no final da década de 1960. Ciani pegou e trabalhou-a à sua maneira na década seguinte, tendo visto a luz do dia em 1980. É um trabalho intensamente criativo, em que cria ambientes de ficção científico com sons que traduzem a linguagem de uma raça alienígena. Há uma narração constante ao longo dos dois lados (dez minutos cada) através dos sons e da electrónica que Ciani desenvolveu ao longo da década de 1970, aqui concentrados num intenso e bonito processo de comunicação.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Sábado, 11 Novembro, 2017

COLLEEN Colleen Et Les Boîtes À Musique LP

€ 16,50 LP (2017 reissue) Leaf

[audio:http://www.flur.pt/mp3/BAY53V-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY53V-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY53V-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY53V-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY53V-5.mp3]

Um álbum mascarado em forma de EP, “Colleen Et Les Boîtes À Musique” foi uma encomenda do governo francês para uma emissão de rádio. Em 2006 Colleen estava à frente do seu tempo no que diz respeito ao revivalismo por library music e aventurou-se numa electrónica que agora, mais de dez anos depois, faz mais sentido depois de ouvir “A Flame My Love, A Frequency”. Uma belíssima caixinha de música, delicada e inovadora e com um arrojado sentido composicional.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sábado, 11 Novembro, 2017

LORD ECHO Melodies 2LP

€ 17,50 2LP Soundway

[audio:http://www.flur.pt/mp3/SNDWLP091-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SNDWLP091-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SNDWLP091-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SNDWLP091-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SNDWLP091-5.mp3]

Fake Africa? Talvez, talvez. No entanto, Mike Fabulous não se chama assim por nada. Este é o seu primeiro álbum, de 2010, já com estatuto de clássico e agora reeditado na Soundway. Síntese de África e Jamaica, nunca demasiado tradicional mas a entrar pelo tempo adentro com muita autoridade. Chequem o lovers rock em “The Book Keeper”. Lindo. Há também Disco, Afrobeat e uma cultura de música negra bem dedicada, culminando no que é tido como um single carismático: “Thinking Of You”, com skank Reggae mas claps de Disco. Siga.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sábado, 11 Novembro, 2017

COLLEEN Les Ondes Silencieuses LP

€ 18,95 LP (2017 reissue) Leaf

[audio:http://www.flur.pt/mp3/BAY57V-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY57V-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY57V-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY57V-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY57V-5.mp3]

Em “Les Ondes Silencieuses”, editado originalmente em 2007, Colleen explora uma série de instrumentos mais clássicos e cria uma espécie de contraponto na aventura melódica e harmoniosa que tinha sido a sua carreira até então. Lento, espacial, é o disco mais a preto e branco – e real – na sua carreira. O seu tom clássico contrasta com alguns dos álbuns mais populares de Colleen, mas as notas repetidas, o hipnotismo causado pelo espaço vazio de “Les Ondes Silencieuses” expressam a tranquilidade e as cores de Colleen.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sábado, 11 Novembro, 2017

COLLEEN The Golden Morning Breaks LP

€ 17,50 LP (2017 reissue) Leaf

[audio:http://www.flur.pt/mp3/BAY48V-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY48V-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY48V-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY48V-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/BAY48V-5.mp3]

O segundo álbum, depois de “Everyone Alive Wants Answers”, “The Golden Morning Breaks” (2005) é uma rigorosa e saturada congestão da Colleen minimal, que procurava texturas através de loops de guitarras e da distorção causada por overdubs. Estava em confluência com o que se fazia na época, principalmente da música maioritariamente editada em CDRs na primeira metade do século XX. Ouvimo-la inspirada pelos sons que vinham dos Estados Unidos e de Inglaterra na altura, com o desejo de encontrar um som transparente através dos métodos que resolveu utilizar. Talvez tenha falhado nessa ideia de transparência, mas criou uma falsa música de câmara, cheia de identidade e com um efeito contemplativo único. Ainda hoje é um disco único, uma belíssima caixa temporal do melting pot musical que foi a primeira metade dos 2000s.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 8 Novembro, 2017

V/A Digital Zandoli 2 CD / 2LP

€ 13,95 CD Heavenly Sweetness

CD EM BREVE / SOON

€ 20,95 2LP Heavenly Sweetness

[audio:http://www.flur.pt/mp3/HS169VL-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HS169VL-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HS169VL-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HS169VL-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HS169VL-5.mp3]

O segundo volume 2 de “Digital Zandoli” reaquece o local do primeiro, reaproximando-nos daquela zona do planeta para mais música estranha e dançável. Concentração nas Índias Ocidentais francesas e em derivações de zouk totalmente pop, sobretudo em crioulo, com brilho sintético da produção cristalina que pretende vender muitos milhares de discos. Com essa premissa, essa vontade de sucesso através de música alegre, temos o privilégio de ouvir o som de uma outra latitude e outra época e concluir que há ali muito para nós. A pancada seca de tarola em “Blanc E Noir”, por exemplo, contrasta com os outros sons mais redondos e sedutores e introduz, a ouvidos que gostam de explorar nuances, aquela estranheza de que falávamos. Desembrulhar – por assim dizer – este disco faixa a faixa oferece a possibilidade de acolhermos ideias pop com as quais não convivemos habitualmente. Mesmo que a vossa inclinação não seja o som MIDI característico dos primeiros anos da produção digital em massa, devem conseguir entrar pela pura musicalidade.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

1 – Coco, Fabert – Ban Di Fwan
2 – Wach’da – Confrontation (Instrumental)
3 – Michel Alibo – Fou, Jaloux
4 – Osmose – Melodi
5 – Juliane – Blanc E Noir
6 – Champagn’ – L’ Anmou Aw
7 – Jo Star – Demare Mwen
8 – Alex Rosa – Sistem
9 – Patrick Nuissier – Pou Qui Ca
10 – Vik’In (Very International Kadence In) – Tension La Ka Monte
11 – Joyeux De Cocotier – Pina Colada Coco Loco
12 – Djeminay – Sun Plash

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Terça-feira, 7 Novembro, 2017

ZAZOU / BIKAYE / CY1 Noir Et Blanc LP

€ 28,95 LP (2017 reissue) Crammed

[audio:http://www.flur.pt/mp3/CRAM025LP-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM025LP-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM025LP-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM025LP-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CRAM025LP-5.mp3]

É a primeira vez, desde a sua edição original de 1983, que o magnífico e muito influente “Noir Et Blanc” é reeditado. Um disco de fusão de ritmos e vozes congoleses com a electrónica e jazz que estavam a ser transpostos para outras linguagens na primeira metade daquela década. É um disco muito influente, não só pelas suas características de fusão, mas também pela forma como os beats desbravaram a tendência para a criação de certos beats na música de dança nas duas décadas seguintes (e que se sente ainda hoje). Há um tom minimalista, quase de esqueleto, presente ao longo de todos os temas. Harmonia, funk, boogie e futuro.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 27 Outubro, 2017

KAMASI WASHINGTON Harmony Of Difference MCD / MLP

€ 9,50 MCD Young Turks

€ 11,50 MLP Young Turks

[audio:http://www.flur.pt/mp3/YTCD171-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/YTCD171-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/YTCD171-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/YTCD171-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/YTCD171-5.mp3]

“The Epic” colocou Kamasi Washington nas margens da exploração do jazz via soul, funk. “Harmony Of Difference” é um pequeno grande álbum. Há smooth jazz em todo o lado, como se o Miles Davis de “Kind Of Blue” estivesse em férias permanentes no Rio de Janeiro já a pensar em “In A Silent Way”. Calor, calor e calor. Há algo de tão fluído e ligeiro nestes seis temas que somos obrigados a fazer uma nova vénia a Kamasi. Sem definir nada de novo, usa padrões de outros tempos para construir melodias que se colam à eternidade em 2017. Que delicadeza e doçura.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 11 Dezembro, 2014

NORBERTO LOBO E JOÃO LOBO Oba Loba CD

€ 12,50 € 9,95 CD Shhpuma

€ 16,50 LP Silent Water

Ainda andamos submergidos no encantamento de “Fornalha”, o álbum de 2014 de Norberto Lobo saído há pouco tempo, e já temos mais uma razão para nos deliciarmos com este guitarrista que faz mais pela autoestima portuguesa que qualquer vitória desportiva nacional. Se assim não é, devia ser. Porque Norberto parece ter o toque de Midas, e este seu regresso aos discos com o seu velho comparsa João Lobo está carregado de ouro: algumas jóias polidas, reluzentes, mas também música em estado bruto, desafiadora e arrojada. Depois de “Mogul De Jade”, em duo, ambos os Lobos quiseram reunir uma espécie de família com músicos cúmplices das suas recentes aventuras, abrindo as composições a novas vozes, aumentando resultados bem além daquilo que todos esperávamos. Porque o sexteto, que ainda tem mais três músicos extra, funciona em total devoção às composições, não se deixando encurralar pela formação do colectivo: cada tema tem a sua vida própria, funcionando com a instrumentação e vozes estritamente necessárias. E depois há a diversão que é ouvir o percurso de cada arranjo, como se tudo fosse mesmo possível e a cada regra encarada houvesse o objectivo de a quebrar. Em três minutos esperem um mundo de possibilidades. Jazz celestial, pop circular, memórias indie de Chicago, tropicalismo com sotaque europeu, arranjos à Jim O’Rourke, canções de embalar, tudo isto e muito mais, como um milagre, em nove temas que prenunciam vida longa para este grupo de músicos que, convém dizer, inclui o brilhante pianista Giovanni Di Domenico. Uma absoluta e arrebatadora delícia.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 14 Novembro, 2007

BURIAL Untrue CD / 2LP

€ 15,95 € 10,50 CD Hyperdub

€ 19,95 € 17,50 2LP Hyperdub

[audio:http://www.flur.pt/mp3/HDBCD002-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HDBCD002-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HDBCD002-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HDBCD002-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HDBCD002-4.mp3]


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 27 Julho, 2006

BURIAL Burial CD / 2LP

€ 15,95 € 10,50 CD Hyperdub

€ 17,50 € 17,50 2LP Hyperdub

[audio:http://www.flur.pt/mp3/HDBCD0001-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HDBCD0001-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HDBCD0001-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HDBCD0001-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HDBCD0001-4.mp3]

Por muito que pareça incrível, dubstep é realmente uma cena de clube nova. Ao ouvir Skream, Elemental ou Burial, por exemplo, tenta-se com força imaginar como é possível sustentar um clube para dançar com música assim. Dancehall, Photek vintage, John Carpenter, Boards Of Canada, Linton Kwesi Johnson, Oriente, restos de Grime, tudo partículas a partir das quais se forma um som denso e escuro, LENTO, no caso de Burial profunamente melancólico também. Especula-se que Burial seja Kode9, o dono da Hyperdub, o que é irrelevante quando se ouve música que quase não pertence a ninguém, etérea e suspensa como indicado pela fotografia nocturna, na capa, tirada à noite (ou em negativo) e parecendo retratar uma ameaça que paira sobre a cidade fotografada enquanto todos dormem. Burial, no entanto, não ameaça com a música mas sim com a sugestão de ameaça que pode não ser de todo exterior. Baixo pulsante, profundo como ‘profundo’ deve ser e uma nova cultura musical no underground desde o alvor do séc XXI. As manifestações mais genuínas raramente chegam à superfície, e então é preciso captá-las enquanto duram.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »