Quinta-feira, 27 Dezembro, 2018

WINO D Wino D 12″

€ 10,50 12″ Wah Wah Wino

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

Na tradição desformatada da Wah Wah Wino, este maxi D faz bem o trabalho de manter mistreiosa a aura da editora e mostrar música de vários universos: a espécie de kraut marimbado da segunda faixa alivia a pressão da batida densa meio Nocturnal Emissions da primeira faixa; harmonias desafinadas sobre caixa-de-ritmos como se fosse David Van Tieghem, na faixa 3 -> na verdade, a restante música do EP puxa muito a memória de Van Tieghem, um percussionista que trabalhou frequentemente com dança e performance. Música essencialmente rítmica, ao lado da banca principal, com as surpresas a chegarem enquanto dançamos sem saber bem como.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Terça-feira, 19 Junho, 2018

SNAKEFINGER Chewing Hides The Sound CD

€ 15,95 CD (2017 reissue) Klanggalerie

OUVIR ÁLBUM COMPLETO / LISTEN To FULL ALBUM:
Chewing Hides The Sound

Praticamente um álbum de Residents, cuja autoria conjunta surge na maioria das canções do álbum. No entanto, a abertura pertence a “The Model” dos Kraftwerk, passada por harmonias-Residents e a voz de Snakefinger, tão desapaixonada como Ralf & Florian e com incrível entoação pós-punk como Tuxedomoon. Aparentemente terá sido a primeira versão editada de “The Model”. O estilo pomposo dos Residents é indisfarçável em “Kill The Great Raven”, mas o non sense, as pontuações rock de guitarra, as cores electrónicas como BBC Radiophonic Workshop ao serviço de um deus da guitarra, tudo é demasiado único para não ser levado a sério. Dito isto, o humor sarcástico é uma das características mais óbvias nesta música (como na dos Residents), e isso criou um género pelo menos desde Zappa. E, claro, dos próprios Residents, bem lá atrás no tempo. Iconoclasta, esforçado na sua diferença, a alargar claramente as vistas do rock, “Chewing Hides the Sound” entra pela casa como aquele convidado inconveniente que, depois de sair, deixa saudades porque simplesmente mudou toda a dinâmica que conhecíamos.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Terça-feira, 19 Junho, 2018

SNAKEFINGER Greener Postures CD

€ 15,95 CD (2017 reissue) Klanggalerie

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

A emancipação do guitarrista Snakefinger em relação aos Residents era complicada. Se, por um lado, o grupo é co-autor de muitas das canções de Snakefinger (este álbum não é excepção), por outro lado é o som da guitarra de Snakefinger que faz com que consigamos identificar o som de Residents muito depressa. O génio peculiar desta associação brilha intensamente em “Greener Postures” (1980), num fôlego que percorre o ska em dub de “The Man In The Dark Sedan” à percussão escura em “Jungle Princess” até ao vanguardismo pop surreal em “Save Me From Dali” e a aproximação ao som pós-punk da época em “Living in Vain”. !!! Como bónus, nove faixas ao vivo.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 26 Abril, 2018

JOE HENDERSON / ALICE COLTRANE The Elements CD Concord

€ 7,50 CD (2017 reissue) Universal

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

Em “The Elements” Joe Henderson começa um período muito criativo e exploratório na sua carreira. Editado originalmente em 1973 na Milestone, este disco tem uma formação de luxo: Alice Coltrane, Charlie Haden, Kenneth Nash e Michael White. Quatro temas, um para cada elemento, “The Elements” começa com o mais convencional dos temas, “Fire”, e abre-se a pura magia daí para a frente. O baixo é suave e faz a cama perfeita para o som de saxofone subtilmente alterado (por vezes com overdubs), a harpa de Alice Coltrane cria uma prancha contínua para todos os outros sons saltarem e mergulharem suavemente na água. Um portento finalmente reeditado em vinil.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 22 Março, 2018

U.S. GIRLS A Poem Unlimited CD / LP

€ 12,50 CD 4AD

€ 23,50 LP 4AD

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 22 Março, 2018

PRIMITIVE WORLD White On White LP

€ 18,95 LP Ecstatic

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

Máquinas a bater no espaço, ritmos inconformados e movimentações de espaço 2D para 3D com uma precisão magnífica. “White On White” é um álbum de movimentos precisos, onde os sintetizadores criam padrões rítmicos e incomuns e estranhamente viciantes. Este álbum de Primitive World parece uma estrutura de ferro que está constantemente a ser moldada aos nossos ouvidos, um trabalho sempre em progresso, ou movimento, mas preciso e vigoroso. No fundo, há algo aqui de Futurismo, os sons indicam um fascínio pela máquina, pela velocidade, pela industrialização: a rapidez das coisas. E lança eficazmente a questão: será que a música acompanha essa rapidez das coisas? A resposta não é dada e o lado orgânico dos beats – quase como se a máquina se tornasse humana – tornam a pergunta mais misteriosa e, claro, fascinante. Porque “White On White” fala de música de arquivo, dos sons de library e da música contemporânea com uma propriedade que não sentíamos desde os “Black Mill Tapes” de Pye Corner Audio. E também sentimos o caos organizado dos Hype Williams (talvez mais via Inga Copeland) e o techno rebarbado dos Black Dice. “White On White” não é um disco. É uma máquina de precisão. Um exercício de poder. Obrigatório.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 22 Março, 2018

CV & JAB Zin Taylor’s Thoughts Of A Dot As It Travels A Surface LP

€ 21,50 LP Shelter Press

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

À semelhança da compilação “Mono No Aware”, “Zin Taylor’s Thoughts of a Dot as it Travels a Surface” de CV & JAB (Christina Vantzou e John Also Bennett) é uma experiência intencional e desafiante em volta da música ambiente. Aqui, contudo, a música evita a narração de uma história, qualquer coisa de embalar, e brinca com harmonias e sensações, embala o ouvinte para um espaço cativante e sonicamente único. Pode-se sentir a sensação de se estar dentro de um filme de Lynch, sim, mas mais valioso do que isso é a entrada de um universo que aconchega o ouvinte e o acorrenta a um romantismo que parece já não existir na música electrónica. E, mesmo que exista, CV & JAB convencem-nos do contrário. No fundo, é a paixão e o trabalho que sentimos quando ouvimos os trabalhos de Chris & Cosey, o encosto a uma nova dimensão e a redução de todos os filtros a zero. É música nova, onde um piano é uma casa vazia e uma flauta um som de desespero. Abstracto, alegórico e cor de cristal. Um diamante.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 22 Março, 2018

CONJOINT Earprints 2LP

€ 22,95 2LP (2018 reissue) DDS

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

A afinação no mercado de reedições motiva recuperações de discos relativamente próximos de nós no tempo mas que, por motivos vários, passaram abaixo do radar na sua época. Editado na Source (de Move D ) no ano 2000, “Earprints” foi o segundo de três álbuns deste combo de jazz electrónico: David Moufang (Move D), o pianista Karl Berger (tocou, entre outros, com Don Cherry), Jamie Hodge (editou na Plus 8 de Richie Hawtin tão longe quanto 1993 e 1994) e o guitarrista Gunter Kraus. A eterna referência da banda que toca na cantina de Mos Eisley no primrieo “Star Wars” é válida para convocar a imagem de um jazz sideral, de elevador, que assume com naturalidade o seu papel de música de fundo enquanto se insinua com classe perante nós.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 16 Março, 2018

BEAUTIFY JUNKYARDS The Invisible World of Beautify Junkyards CD / LP

€ 13,50 CD Ghost Box

€ 18,50 LP Ghost Box

Depois de um 7” na Ghost Box em 2016, os portugueses Beautify Junkyards regressam aos longa-durações com um belíssimo disco na editora inglesa. O terceiro álbum, “The Invisible World Of…” é um riquíssimo trabalho em volta de folk inglesa e do leste europeu anos 70 (há muita influência das bandas-sonoras que descobrimos via Finders Keepers aqui) e de Tropicália. A colaboração de Helena Espvall adiciona o tom ácido certo à folk que aqui exploram, talvez no disco mais Espers que colaborou após o final dos Espers. Bonito disco de nova-exótica, rico, fantasioso e outonal ainda com sol. Como se quer.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 16 Março, 2018

KAORI SUZUKI Newsun CD

€ 12,50 CD Sounds Et Al

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2

“Newsun” remete-nos logo para “Vision Creation Newsun”, o fabuloso álbum de 1999 dos Boredoms. Embora as duas peças de Kaori Suzuki pouco devam ao som dos Boredoms – e, em particular, desse disco -, sente-se aqui uma nova vida na exploração da electrónica experimental e do uso de efeitos sonoros que distorcem a nossa sensação de espaço: o uso de estéreo ao longo das duas peças é de mestre. Mas Suzuki remete-nos para outros nomes da electrónica/experimental, à cabeça vem logo uma Éliane Radigue com um som muito mais preenchido, um Phil Niblock com uma visão mais além ou, mais contemporâneo, o controlo espacial de uma Kaitlyn Aurelia Smith e de Catherine Christer Hennix.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 8 Março, 2018

MAURICE DEEBANK Inner Thought Zone LP

€ 9,95 LP (2013 reissue) 1972 Records

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

Em plena operação de reedição de álbuns de Felt, nada mais apropriado do que convocar a única edição de Maurice Deebank a solo. A descrição jornalística do álbum como “80s psych” ajusta-se bem a este disco lindíssimo de guitarra (baixo e sintetizador mínimos, no acompanhamento, zero bateria). Deebank moldou estruturalmente o som dos primeiros discos de Felt e, mesmo que a voz de Lawrence esteja inteiramente ausente em “Inner Thought Zone” (1984), percebemos num ápice que a guitarra preenche todos os espaços necessários. O título do disco remete para uma experiência (de composição, mas também nossa, de audição) íntima, de pesquisa e observação de processos internos. Sem qualquer reserva, não só para fãs de Felt mas também de Vini Reilly ou, até, do universo (também centrado em guitarra) de Dif Juz e outras construções etéreas da 4AD. Bom preço!

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 8 Março, 2018

WALLY BADAROU Echoes CD

€ 9,50 CD (2018 reissue) Music On CD

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

Obra-prima de discrição em 1984 por este músico habituado a sessões de topo nos estúdios Compass Point e com nomes como Talking Heads, Grace Jones, Mick Jagger, Level 42, Marianne Faithfull, Black Uhuru, Joe Cocker e vários outros. CV impressionante que também revela a competência de Wally Badarou, especializado em sintetizadores mas com uma abrangência estilística impressionante. “Echoes” demonstra isso generosamente mas também um tipo de maravilhosa música genérica dos 80s que muitos procuram ainda reproduzir num circuito pop mais obscuro da actualidade. O sintetizador brilha com clareza neste álbum exótico de virtuosismo electrónico e musicalidade sem vergonha do lugar-comum. Se detectamos padrões demasiado familiares, rapidamente surgem sons que hoje soam especialmente alienígenas e deslocam a sensibilidade para zona incerta. Paisagístico como em “Canyons” ou “Rain” mas este é também o álbum que inclui o muito celebrado hit “Chief Inspector”, um instrumental (como todos neste disco, aliás, salvo um discreto vocoder algures) com créditos de boogie que tanto fica bem num set de Baldelli como de Dâm-Funk.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 7 Março, 2018

FELT The Seventeenth Century LP

€ 29,95 LP (2018 reissue) Cherry Red

A.K.A. “Let The Snakes Crinkle Their Heads To Death”


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 7 Março, 2018

FELT Ignite The Seven Cannons LP

€ 29,95 LP (2018 reissue) Cherry Red


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 7 Março, 2018

FELT The Strange Idols Pattern And Other Short Stories LP

€ 29,95 LP (2018 reissue) Cherry Red

Segundo álbum, um dos dois editados em 1984, passo em frente em relação à arrebatadora atmosfera de “Crumbling The Antiseptic Beauty”. bateria normalizada, canções mais escorreitas como “Roman Litter” ou “Spanish House”. A entoação Lou Reed é jogada com – há quem escreva – a influência dos Television, mas a renda complicada da guitarra de Maurice Deebank, com Lawrence em guitarra secundária e sobretudo a entregar uma voz impossivelmente estilosa, todo esse conjunto faz dos Felt uma tradição em si mesmos. Os pequenos instrumentais “Sempiternal Darkness” e “Imprint” não se limitam a cortar a sequência de canções pop, eles de facto elevam este edifício a um plano supra-indie. Se isto fizer sentido para vocês.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 7 Março, 2018

FELT The Splendour Of Fear LP

€ 29,95 LP (2018 reissue) Cherry Red

Editado em 1984, tal como “The Strange Idols Pattern And Other Short Stories”, este álbum puxa alguns contrastes para a frente. O título glorifica o medo (com ou sem ironia), enquanto lá dentro há uma canção chamada “The World Is As Soft As Lace”, reconhecimento deliberadamente naive de um mundo bonito na incerteza, porque “If I knew all about this world Do you think I’d stay here that’s absurd”. Enorme presença ainda de Maurice Deebank na guitarra, realçando o espaço neste álbum maioritariamente instrumental. Pode ser assustador, este vazio de palavras, mas é bonito e está pronto a receber as nossas emoções pessoais.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 7 Março, 2018

FELT Crumbling The Antiseptic Beauty LP

€ 29,95 LP (2018 reissue) Cherry Red

OUVIR ÁLBUM ORIGINAL / LISTEN TO ORIGINAL ALBUM
Crumbling The Antiseptic Beauty

O maravilhoso instrumental “Evergreen Dazed”, que abre o disco, revela toda a arte do guitarrista Maurice Deebank, que Lawrence chamou para a banda depois de ele lhe ter afinado a guitarra em três tempos. Considerado por alguns como “pai da guitarra indie”, Deebank moldou decisivamente todo o som dos primeiros álbuns de Felt. Os complicados e belos ornamentos de guitarra, em “Crumbling The Antiseptic Beauty”, juntam-se à bateria sem pratos – soando assim muito tribal – e à voz oscilante, meiga, de Lawrence. Aqui encontramos, em 1982, parte importante do livro da pop independente inglesa. “Fortune” é um exemplo superlativo. O rolar da bateria em canções como “Birdmen” e “Cathedral” evoca o som semelhante que Stephen Morris marcou em “Movement” dos New Order. A voz de Lawrence paira sobre tudo, largamente ininteligível, um acorde entre acordes, melancólica, um ambiente em si mesma, por vezes um espectro de Lou Reed. Álbum muito minimalista, homogéneo no som e com um impacto nada diminuído pelos anos – mostrando, aliás, de onde sai muita gente que pegou em guitarras e começou a cantar depois disto. Imprescindível.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 7 Março, 2018

FEVER RAY Plunge CD / LP

€ 14,95 CD Rabid

€ 23,95 LP (+ poster) Rabid

É normal revermos Björk em artistas que desafiam a sua zona de conforto, mesmo que para Björk a referência a uma zona de conforto seja uma redundância. No caso de Fever Ray, Björk surge naturalmente porque a condição estranha de Karin Dreijer é imediatamente sugerida pela própria, mesmo com todo o imaginário pensado dos Knife já à sua volta. Segundo, é-nos sugerida porque “Plunge” é o tipo de disco que Björk nos habituou a fazer, quando ainda não estava na sua zona de conforto: ou seja, arriscava, não se preocupava com o redondo mas em fazer as coisas redondas. É isso que Dreijer faz em “Plunge”, transforma música assimétrica em simétrica e junta a esquizofrenia de certos temas a aventuras perfeitamente pacíficas e duradouras. Ou seja, tanto é disco de paisagem como disco carregado de BPMs, tanto é uma orquestração controlada como um furacão. E faz isto com facilidade e sem vaselina. E não custa.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 7 Março, 2018

SUFJAN STEVENS The Greatest Gift Mixtape – Outtakes, Remixes & Demos From Carrie & Lowell LP

€ 22,50 LP Asthmatic Kitty

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

Pela experiência com “The Avalanche”, o álbum que compilava os lados Bs, ou restos, de “Illinois”, sabemos que de Sufjan Stevens um álbum de sobras é muito mais do que isso. É um processo de redescoberta, do encontro de novas canções através de pedaços de coisas que já existem. Ou, melhor, descobrir – mesmo – algo novo. É esse o efeito de “The Greatest Gift”, álbum emparelhado com “Carrie & Lowell”, por essa causa-efeito de demos, outtakes e tantas coisas mais. Sobras? Não. O que é fascinante em entrar neste lado de Stevens é descobrir os mundos que cabem enquanto grava um disco. Entramos na estrada com ele, percebemos para onde o caminho diverge e encontramos nestas canções paralelas um outro disco, que só é menor pela sua história, não pelo seu som. E ficamos sem resposta para o que vai na cabeça de Stevens, de como consegue isto. Não é hiperactividade. Será feitio? É qualquer coisa de bom. E só nos dá os melhores presentes.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 7 Março, 2018

NICO MUHLY & TEITUR Confessions CD

€ 6,50 CD Nonesuch

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

“Confessions” é um disco que explora as possibilidades do som de Nico Muhly e torna as suas composições numa espécie de livro aberto para a intimidade dos novos média. Primeira colaboração entre Nico Muhly e o vocalista Teitur, “Confessions” é uma fantasia pop misturada com o fantástico classicismo de Muhly. A voz de Teitur por cima daquelas secções de cordas aproximam isto tudo de um álbum espumado de Sufjan Stevens, contido para não chegar ao fim do mundo. A voz de Teitur arruma por vezes o lado mais barroco dos arranjos de Muhly e dá uma singularidade às canções, entre o onírico e uma espécie de pop dramática saudosista de uns certos anos 1980. O tempo passa e “Confessions” vai abençoando em cada tema. Era assim em 2016, é assim agora, com um preço especial.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »