Quarta-feira, 14 Novembro, 2012

BEAK> >> CD / LP

€ 15,50 € 12,50 CD Invada

€ 25,50 € 23,95 LP Invada

[audio:http://www.flur.pt/mp3/INV107CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/INV107CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/INV107CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/INV107CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/INV107CD-5.mp3]

Há uns tempos, tínhamos na memória que os Beak> iriam acabar ou estavam num hiato comprometedor. Apesar das intenções do primeiro álbum – nascido após “Third” dos Portishead -, a música de Beak> nunca saiu de uma espécie de gueto autoconstruído e autoinfligido, como se a piada tivesse ficado apenas dentro do estúdio, como um capricho que dificilmente seria entendido por todos nós. Claro que os anos 70 são incríveis, que todas as pessoas deviam ouvir as grandes malhas kraut que as enciclopédias citam, mas uma coisa é pegar nas peças e seguir o manual de instruções, outra coisa, e bastante diferente, é fazer algo de novo seguindo o instinto. “>>” é o segundo caso e por isso não decretou o fim dos Beak>. O objectivo é o mesmo, contudo: resgatar o motorik alucinante dos anos 70, as alusões a Neu! e aos Silver Apples, mas agora há vento fresco, novas ideias, pedaços de canções despedaçadas pelas referências, teclados vintage a debitar hipnose circular e, ainda, aquele som mecânico que faz mexer Portishead quando as coisas ficam mesmo, mesmo interessantes. O trio de Geoff Barrow justifica, finalmente, a invenção de Beak> com um brilhante álbum que deveria deixar qualquer pessoa em transe. Welcome aboard.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation


Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

ONEOHTRIX POINT NEVER Rifts 2CD

oneohtrix point never

€ 23,50 € 17,50 2CD No Fun  ENCOMENDAR

[audio:http://www.flur.pt/mp3/NFP-56-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/NFP-56-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/NFP-56-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/NFP-56-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/NFP-56-5.mp3]

Possivelmente, foram os fabulosos “Returnal” e “Replica” que meteram o nome de Oneohtrix lá em cima. São, de resto, os verdadeiros álbuns, e aqueles para onde mandamos toda a gente se queremos convencer do génio de Daniel Lopatin. Mas, antes destes, já tínhamos ficado destroçados com “Rifts” que ligava pontas soltas do passado – se quiserem provas da nossa devoção, visitem o blog ou recuperem as nossas listas dos melhores do ano; brilha intensamente no top e na nossa memória. Na altura, quando Daniel nos disse que não iria haver mais tiragem do duplo CD, achámos que seria uma pena para quem não estava ainda licenciado em Oneohtrix. Mas estas coisas dão para os dois lados: ou ficamos a lamentar e à procura de alternativas em leilões, ou uma editora repõe a verdade dos factos. A No Fun demorou, mas agora é de vez: “Rifts” é uma viagem estonteante pelo cosmos analógico de Lopatin e, ouvido a esta distância de três anos, uma peça essencial para entendermos parte do nosso fascínio pelo norte-americano.
No início de 2010, dissemos: “Não andámos particularmente atentos a todos os recantos onde acontecem coisas interessantes e assim chegamos a Oneohtrix Point Never apenas através desta compilação de três discos previamente editados. A sensação de ter agora dois CDs inteiros de material é magnífica. Desde “Days Of Mars” de Delia Gonzalez & Gavin Russom que não ouviamos um disco novo com esta capacidade de transporte para o Cosmos – “Rifts” é uma fantasia futurista totalmente assente em equipamento vintage que Daniel Lopatin colecciona. Não há aparente limite para as evocações de um espaço infinito quando se sente que o som brota como água de uma fonte. “Betrayed In The Octagon”, “Zones Without People” e “Russian Mind” são os discos reunidos em “Rifts”, acrescentados de algumas faixas dispersas. A história da música electrónica ambiental é utilizada e ultrapassada, não porque este álbum seja de uma originalidade ímpar mas porque, no contexto em que aparece, fazemos forçosamente uma reavaliação de tudo o que se ouviu antes e “Rifts”, em vez de funcionar como um tributo a outros tempos ou simples revisionismo cósmico, exemplifica uma ética de processos físicos que se tem vindo gradualmente a perder à medida que se caminha para maior portabilidade e intangibilidade na música electrónica. Há um lado fetichista na apreciação que se faz deste disco por ser a música que é, e rapidamente esquecemos a procura da originalidade como objectivo máximo na excitação que a música pode provocar. “Rifts” ergue-se de toda a experiência anterior sobretudo desde o kraut mais electrónico (Tangerine Dream, Klaus Schulze, etc.) na década de 70 até ao ambientalismo New Age dos anos 80, um pouco do lado sombrio adoptado por certos projectos industriais e, até, o som 8-bit popularizado pelo módulo de som do Commodore. Completo, enciclopédico e, sob uma certa perspectiva, quase inesgotável”. Uma maravilha. Não o deixem fugir agora.

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

THE WIRE #342 (August 2012)

€ 6,25 REVISTA

Os tempos de “Lover Boy” já lá vão, é agora tempo para “Mature Themes”. E como se não bastasse o facto de um novo álbum de Ariel Pink ser motivo de alargada conversa, o músico serve-nos de bandeja os tópicos que quer ver discutidos. Judaísmo e ninfomania são alguns deles. Imaginem os outros. Maturidade será talvez um tema em si mesmo para Maria Minversa, envolta agora numa bolha solipsista, hasteando a bandeira de “female loser”. Buddy Pipp traz-nos novos inputs Afrojazz, Peter Cusak adivinha (?) os temas secretos da “Invisible Jukebox”, Kassem Mosse aquece as pistas de dança de Berlim com house orgânico e TM Wolf (dos Wu Tang Clan) tem uma epifania! Ainda Moritz Von Oswald Trio, Matthew Dear, Dan Deacon, Diagram & Moliné, Erikoismies, Bill Fay, Reinhold Friedl, Guess What, Holy Other, Icebreaker, Iskra. E mais.


/ / Etiquetas: , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

DIRTY PROJECTORS Swing Lo Magellan CD / LP

€ 15,95 CD (Edição Limitada) Domino  ENCOMENDAR

€ 20,50 LP Domino  ENCOMENDAR

[audio:http://www.flur.pt/mp3/WIGLP272-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/WIGLP272-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/WIGLP272-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/WIGLP272-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/WIGLP272-5.mp3]

Dave Longstreth assume a liderança de um dos mais elogiados projectos da actualidade. À medida que vai editando os seus discos – sobretudo após o estrondoso e conceptual “Rise Above” (2007) -, a legião de fãs adensa-se, de Björk a David Byrne. Mas acho que dá para arriscar que os Dirty Projectors nunca serão uma banda de massas, prontas a aceitar a saudável esquizofrenia com que Longstreth tritura as suas composições. Claro que há os Animal Collective que nos provam o contrário, mas como há sempre uma excepção a tudo, achamos que vamos ter razão por mais algum tempo. “Swing Lo Magellan” é o segundo disco para a Domino e afina uma máquina de sons e estruturas fantásticas que tinham ficado no ar em “Bitte Orca”. As canções parecem mais afinadas, mais directas ao ouvido, mas nunca é um trabalho fácil aceitá-las. Há que descodificá-las, entrar no seu pequeno mundo de corpos estranhos. Mas esse é um preço a pagar com alguma boa-vontade para podermos fruir música única, vigorosa, cheia de vontade de abrir portas novas e estranhas. É difícil dizer se é o melhor de todos, mas aceitamos muito bem quem nos diga isso. Fabuloso.

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

THEO PARRISH Mustang 1 12″

€ 8,50 12″ white label

<a href="http://www.youtube.com/watch?v=T-Z_p-S41Jo?hl=en"><img src="http://blog.flur.pt/wp-content/plugins/images/play-tub.png" alt="Play" style="border:0px;" /></a>

Edição limitada de 200 por ocasião do Detroit Music Festival no ano 2000, na altura um disco repartido entre Moodymann e Theo Parrish, hoje raro e caro. Esta espécie de reedição tem apenas a faixa atribuída a Theo Parrish, um edit seu para o conhecido “Peaches and Prunes” de Nightlife Unlimited. Garantido. Ainda.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

MIKA VAINIO, KEVIN DRUMM, AXEL DORNER & LUCIO CAPECE Venexia LP

€ 20,95 LP PAN  ENCOMENDAR

[audio:http://www.flur.pt/mp3/PAN28LP-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PAN28LP-2.mp3]

Acontecimento épico, quatro músicos de excepção gravaram esta peça fabulosa, editada agora pela sempre recomendável Pan, registada há quatro anos num concerto em Veneza. Tudo flui de um modo transcendente, a forma como os quatro músicos colaboram não é impositiva, as linguagens de cada um permanecem intactas e tudo parece ajustar-se de forma natural. É mais ou menos aquilo que se espera, “Venexia” transcende-se a cada momento e cada regresso a ele tem proporcionado um prazer crescente desde a primeira vez que o ouvimos.

 

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

DECIMUS #11 LP

€ 15,50 LP Digitalis  ENCOMENDAR

Decimus é Pat Murano, mais conhecido pelo seu trabalho nos No Neck Blues Band. Ao longo do último ano e meio tem-se dedicado quase exclusivamente ao seu novo projecto Decimus. Para quem tem seguido com alguma atenção os seus inúmeros lançamentos – e são mesmo imensos -, é notória a evolução do projecto, afastando-se progressivamente de um som electrónico primordial num registo pós-metal para a construção de paisagens ambientais semi-agressivas a que se pode agora assistir neste “11”, a sua estreia na Digitalis. Há um lado ainda austero e metaleiro na música de Decimus, mas agora encontrou uma forma de acondicionar essa vertente de um modo mais natural em todas as outras componentes – algo que faltava, por exemplo, nas primeiras coisas que ouvimos dele há cerca de um ano. Em “11” os temas estão muito mais pulsantes, os beats surgem com um impulso natural, uma fluência que se assemelha a um coração a bater em diversos BPMs ao longo do disco. Isso cria espaço para que todos os outros sons que envolvem o beat, ou os beats, se apresentem como mais naturais e num formato mais acabado e definitivo. Porque um dos anteriores problemas de Decimus é que tudo parecia um work in progress, rascunhos de algo maior que estava para vir. E isso, parece-nos evidente agora, é este “11”.


http://soundcloud.com/foxydigitalis/decimus-side-a-excerpt

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

VATICAN SHADOW September Cell 12″

€ 18,50 12″ Bed Of Nails  ENCOMENDAR

[audio:http://www.flur.pt/mp3/NAIL001-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/NAIL001-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/NAIL001-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/NAIL001-4.mp3]

Dominick Fernow tem construído ao longo dos últimos meses o nome Vatican Shadow. O número de edições ajuda (parece que não passa um mês sem qualquer coisa nova sua), mas o que o torna especial é a forma como nos seduz para o seu som industrial à século XXI com uma costela fortíssima virada para a pista de dança (algo que anda a evoluir progressivamente de edição para edição). Simultaneamente, cada novo disco seu parece vir com qualquer mensagem politico-militar enfiada, o que ajuda a mitificar ainda mais todo este projecto. “September Cell” é a estreia de uma nova editoda, a Bed Of Nails, orientada por si para projectar com mais vigor a filosofia do seu som, depois de passagens pela Type, Hospital Productions e a Blackest Ever Black. Embora “September Cell” tenha um beat mais dançável, há todo um lado de tensão em Vatican Shadow que não permite dar um salto maior. Só que esse lado algo ambíguo cria ambiências únicas na forma como os temas se compõem e desenvolvem, quase como uma espécie de modernização obsessiva dos Throbbing Gristle por via de Kevin Drumm.

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

DAVID ORPHAN Songs For Hannah Henley LP

€ 16,95 LP Pre-Cert Home Entertainment  ENCOMENDAR

Fruto de um lugar exótico na cabeça de Andy Votel e dos Demdike Stare, a Pre-Cert Home Entertainment coloca no seu catálogo títulos que parecem percorrer um universo paralelo de algumas bandas sonoras editadas pela Finders Keepers. É um misto de imensa coisa, encostado a uma ideia de não-música, onde tudo flui numa aglomeração de library music, field recordings e exposições narrativas de uma folk imaginada. “Songs For Hannah Henley” não é excepção. Cada lado do vinil parece uma longa peça onde é contada uma história através de sons, algo entre o macabro e o campestre, que tira proveito de todo um imaginário cinematográfico do Reino Unido durante a década de 1970. O que é espantoso nesta estreia de David Orphan na Pre-Cert (antes só o conhecíamos de umas cassetes editadas na Finders Keepers) é como esta mitologia inventada faz todo o sentido e é auto-suficiente, criando pontos de fascínio através da própria obra. Não é um caso de acontecimento único, mas o trabalho de colagem e de fusão de diferentes tipos de narrativas musicais é motivo de regozijo por si só, porque é raro ver trabalhos contemporâneos dentro do género que construam um universo tão sólido e justificado.

http://soundcloud.com/experimedia/david-orphan-songs-for-hannah

 

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

LOREN NERELL Point Of Arrival LP

€ 18,50 LP Forced Nostalgia

Primeira aventura no catálogo da Forced Nostalgia em 2012, editora que no ano passado apresentou preciosos discos dos Pelican Daughters, Cicciolina Holocaust, Vazz e Pump. Loren Nerell é um compositor berlinense, com uma discografia curta para a sua longa carreira e que colaborou em tempos com Steve Reich, Steve Roach e Kronos Quartet. “Point Of Arrival” foi editado por conta própria em 1986 em cassete. Composto por temas gravados entre 1982-86, é um álbum com duas caras. Temas como “Eidolon” fazem lembrar um Craig Leon de “Nommos” com uma costela ainda mais new age, enquanto “Growth” e “Waves Of Time” (que ocupa o lado B na totalidade), que contam com a colaboração de Steve Roach nos sintetizadores, são intensas viagens cósmicas, paisagens épicas onde as samples de Nerell (em “Waves Of Time”) vão acrescentando camadas graduais a um falso crescendo das teclas, que permitem uma entrada mais fluída de novos elementos neste épico de mais de vinte minutos. “Point Of Arrival” cria uma híper-realidade ao longo da sua duração, uma viagem certa no tempo, quando este tipo de som fazia mais sentido e de, algum modo, assentava na linguagem, conhecimento e, porque não, moda de um tempo.

Oiçam aqui

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

GARY WAR Jared’s Lot CD

€ 16,50 € 12,95 CD Spectrum Spools  ENCOMENDAR

[audio:http://www.flur.pt/mp3/SP020CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SP020CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SP020CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SP020CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/SP020CD-5.mp3]

A estreia de Greg Dalton na Spectrum Spools deu-se com um dos seus projectos paralelos, os Human Teenager e o seu “Animal Husbandry”, uma incursão na psych-pop via Ariel Pink antes de se mudar para a 4AD. Gary War é o seu projecto mãe, por onde se tem dado a conhecer nos últimos quatro anos, com álbuns já editados na Sacred Bones e na Captured Tracks. “Jared’s Lot” é fruto do seu processo natural de criação, sintetizadores pujantes, alguns níveis acima da voz, que descarregam uma energia próxima da de John Maus mas sem o valor irónico. Mas a comparação fica-se por aí, porque no meio do caos é impossível perceber o que Greg canta, a voz está repleta de efeitos, é uma espécie de linha recta que orienta a explosão cósmica das melodias que vai criando nos sintetizadores. A masterização típica das edições da Spectrum Spools faz realçar qualidades no som de Gary War que faltavam nos discos anteriores, há uma pujança vertiginosa que passava despercebida nas outras edições de Gary War e que, estando aqui presente, dá uma nova – e melhor – realidade ao seu som.

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 20 Julho, 2012

GROUPER AIA: Dream Loss & Alien Observer 2CD

€ 24,50 € 21,50 2CD Kranky  ENCOMENDAR

[audio:http://www.flur.pt/mp3/KRANK168CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/KRANK168CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/KRANK168CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/KRANK168CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/KRANK168CD-5.mp3]

Há sensivelmente um ano, Liz Harris editou por conta própria dois LPs magníficos que esgotaram num instante, “Dream Loss” (composto por material antigo) e “Alien Observer” (composto principalmente por canções novas). O artwork muito semelhante fazia adivinhar que, apesar do confronto antigo/novo, os temas presentes nas duas edições partilhavam alguma cumplicidade. Talvez a principal diferença entre os dois é a de que “Alien Observer” é significativamente mais expansivo, uma espécie de outro lado do espelho para as canções mais intrusivas de “Dream Loss”. Mas isso, de certa forma, apenas reforça a ideia destes álbuns serem como gémeos, um fluxo narrativo do universo de Grouper que funciona como uma névoa de sonhos, com um som granulado que tem origem sobretudo na guitarra e faz lembrar a espaços os maravilhosos mundos dos Charalambides e dos Double Leopards. E, mais fascinante ainda, é como os dois álbuns se enfiam na discografia de Liz Harris, propriedade de um discurso contínuo que parece fazer parte de uma história que tem sido libertada ao longo dos anos em capítulos diferentes. E isso torna o seu universo num local muito singular e dá-nos uma confiança cega para a colocar bem distante de muito do que se faz no drone na actualidade. A par do homónimo de Motion Sickness Of Time Travel na Spectrum Spools, a edição em CD de “A I A” é um dos grandes discos do género de 2012.

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 19 Julho, 2012

MAAYAN NIDAM New Moon CD

€ 16,50 € 12,50 CD Cadenza  ENCOMENDAR

[audio:http://www.flur.pt/mp3/CADCD09-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CADCD09-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CADCD09-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CADCD09-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/CADCD09-5.mp3]

A música de Maayan Nidam integra-se perfeitamente na vibe latina da editora Cadenza sem deixar que isso se transforme num lugar-comum. O disco começa com a indicação errada: Café Del Mar no final dos anos 90, mas é uma mera introdução apenas reflectida em mais um par de faixas que expande a ideia de trance e psicadelismo para uma zona, de novo, menos cheia por lugares-comuns. Uma base house serve, em “New Moon”, para celebrar uma ideia de psicadelismo que rapidamente se torna no principal trunfo de Maayan Nidam. O material cósmico em acção assenta perfeitamente na construção rítmica, essa também muito mais criativa que a média. Parece frio analisar as coisas deste modo, mas o grande oceano de malhas techno e house transporta para terra mais detritos do que peças com assinatura visível, e o essencial deste álbum não parece possível de ser concretizado através da cabeça de outra pessoa. Se o disco parece perder algum fulgor no último terço, lembrem-se que o que acontece antes pode garantir um número considerável de estrelas no céu.

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 19 Julho, 2012

LAS MALAS AMISTADES Maleza CD / 2LP

€ 16,50 € 12,50 CD Honest Jon’s

€ 16,50 € 15,95 2LP Honest Jon’s

[audio:http://www.flur.pt/mp3/HJRCD57-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HJRCD57-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HJRCD57-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HJRCD57-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/HJRCD57-5.mp3]

Depois das primeiras frases deixamos de pensar “isto é cantado em castelhano” para começar a apreciar verdadeiramente a beleza frágil mas intensa destas canções serenas. O colectivo colombiano regressa à Honest Jon’s com um álbum que, em quatro anos de gravações, foi sendo moldado pelas experiências sentimentais mais ou menos frustradas dos elementos de Las Malas Amistades. Num texto descritivo do processo, o grupo alude ao facto de vários de entre si se terem metido com pessoas “desadequadas”, no campo sentimental. Resulta então um disco sobre o mais universal dos temas na pop, com toda a especificidade sul americana, um sintetizador/orgão trazido da cultura Young Marble Giants e um flow de criatividade muito natural, do ponto de vista de quem ouve a música. São 28 canções curtas, algumas instrumentais, que atravessam todas as estações do ano sem um sentimento violento de desespero, antes uma realização de como é natural passar por essas experiências. Folk exótica, íntima e para todos.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »