Quinta-feira, 22 Novembro, 2018

POP DELL’ARTE Querelle + The Glimmers RMX 12″

€ 12,50 12″ Bloop Recordings (BLOOP12003)

Exemplares da reedição portuguesa de 2007 / 2007 Portuguese reissue. Sound clips and sleeve not from actual copy.

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3

“Ainda Tenho Um Sonho ou Dois – A História dos Pop Dell’Arte” é um novo documentário produzido pela Antena 3. Estreou em Lisboa, no cinema Monumental, no dia 20 de Novembro, e coincide com um momento feliz, para nós: restock da reedição de 2007 de “Querelle”. Exemplares de armazém, praticamente novos. “Querelle” é apontado pelo baixista Zé Pedro Moura como a síntese de muito do que eram os Pop Dell’Arte, o universo de inspiração em que se baseava a banda: Jean Genet e Rainer Werner Fassbinder, neste caso particular. O original de 1987 é aqui reproduzido e recontextualizado numa época (2007) em que ainda se viviam algumas ondas de choque das mexidas punk funk de 5 anos antes. Independentemente disso, o funk de “Querelle” salta épocas e ainda hoje, utilizando um termo dos próprios Pop Dell’Arte, é um “sonho pop”. Glimmers refreiam o freestyle para uma remistura New Beat mais lenta e narcótica, preservando a estrutura bem reconhecível. Ganha outro corpo na pista de dança, modificado, esticado, mais pesado e sério. Se gostam do som do tambor, se ele vos faz mexer, este disco é todo para vocês.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 29 Abril, 2011

POP DELL’ARTE Free Pop CD

€ 13,95 € 9,95 CD Ama Romanta / Louie Louie

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

Literalmente, talvez o manifesto por excelência da liberdade da pop feita em Portugal na década de 80. Poucas bandas conseguiam escapar à categorização fácil de “os não-sei-quem portugueses” mas a agenda de Pop Dell’Arte foi, logo de início, livre. Literatura, estética, fonética e dissonância formavam um todo perfeitamente distinguível de toda a gente. “Dell Arte Je M’Enroque” representa o ponto máximo de liberdade, aqui, e também a celebração que era suposto transmitir-se (e viver-se, por oposição ao tom cinzento dominante de muitas das bandas “vanguardistas” da época). A produção de Nuno Rebelo reforça a vontade de escapar a noções tradicionais de composição e apresentação da música e, mesmo quando tudo parece mais rock, parece um organismo isolado para evitar contaminação do exterior. O livre pensamento da editora Ama Romanta (João Peste) encontrou neste disco um documento precioso da vida artística, musical e boémia da cidade de Lisboa. Curiosamente, a banda era geralmente muito recatada nas apresentações ao vivo, com excepção natural de João Peste, canalizando todos os excessos (de som, de texto e de cor) para a sua performance de palco. Letras muito difíceis de decorar mas vários refrões e onomatopeias memoráveis. Reedição cuidada, com notas actuais de Peste, remasterização a partir das fitas originais e reprodução da capa do LP, tristemente “simulada” na anterior reedição deste álbum em 1999. Inclui como extras os temas “Sonhos Pop” e “Esborre”, lados A e B de um 7″ de 1988 . Mais história pop portuguesa fundamental e uma comemoração particular da liberdade de expressão no mês em que mais se fala dela em Portugal.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 11 Junho, 2010

POP DELL’ARTE Contra Mundum CD

€ 16,50 CD Presente  ENCOMENDAR

Edição Limitada e Numerada

Pop Dell’Arte regressam a quase todas as zonas onde fizeram coisas bonitas no passado, processando com criatividade todas as actualizações que a passagem do tempo sempre provoca. Continua a não ser possível comparar a banda com nenhuma outra dentro ou fora de Portugal e uma verdadeira conclusão a retirar é que “Contra Mundum” soa tão fresco agora como seria há 20 anos, porque o som de Pop Dell’Arte não é permeável a suportes técnicos traduzidos em instrumentos que se tornam datados. Acontece sobretudo, como se sabe, com instrumentos electrónicos, mas a banda continua a assentar as suas ideias sobre um fundo essencialmente acústico. Os ideais românticos de João Peste voltam para assombrar – mais introspectivo em “Diary Of A Soldier”, mais extrovertido em “La Nostra Feroce Volontà d’Amore”. Depois, uma certa herança de “Querelle” pode ser encontrada em “Ritual Transdisco”, “Slave For Sale” ou “Eastern Streets”, só que essa ligação fazêmo-la porque são as canções mais obviamente rítmicas no disco, não são revisitações de “Querelle” mas abrem caminho a fantasias concretas sobre Pop Dell’Arte mais dançáveis. Imperturbada no seu percurso clássico, a banda encontra sempre soluções para as histórias de João Peste, há uma margem de manobra relativamente confortável na abordagem surrealista, os caminhos abrem-se sem preocupação de excessiva harmonia, são percorridos com a segurança de quem escolheu bem o que quer dizer e mostrar. Esta edição é limitada a 1000 exemplares numerados e vem embalada em formato de livro com capa dura, letras e ilustrações (Joaquim Pinto e Nuno Leonel) no interior + poster desdobrável.

clip 1
clip 2
clip 3
clip 4
clip 5

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , / / Comentar: Um comentário »

Terça-feira, 9 Dezembro, 2008

POP DELL’ARTE
No Way Back 12″

€ 8,95 12″ Mathematics

“No Way Back” é dos temas mais citados quando se fala em house, até pelas variações da sua linha de baixo que se ouviram ao longo dos anos. Adonis teve o mesmo papel pioneiro que Farley ‘Jackmaster’ Funk, DJ Pierre ou Larry Heard, por exemplo, e este tema não é apenas um pedaço de História mas uma parte de pleno direito da consciência house actual. Oiçam-no numa pista e comprovem. Zé Pedro Moura dos Pop Dell’Arte recria a linha de baixo sintética com uma guitarra-baixo e sussurra a letra que depois João Peste acaba por incorporar na fonética Pop Dell’Arte. A banda prestou assim tributo ao original e colocou a sua versão na compilação “POPlastik” (2006). Os Glimmers utilizaram-na no seu set gravado para o Fabric e, mais tarde, Jamal Moss (GRANDE), via MySpace dos Pop Dell’Arte, mostra vontade em concretizar a edição na Mathematics. O próprio Adonis faz uma nova versão a partir da dos Pop Dell’Arte (chamou-lhe Nu-Disco Long Player), enquanto Steve Poindexter (outro clássico de Chicago) transforma “Querelle” em algo mais house e cerebral e os Circle Jerks (Adonis de novo) fazem outro dub para “No Way Back”. Depois de uma quantidade mínima ter voado na semana passada, teremos mais stock nesta sexta-feira dia 12.

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »