Quinta-feira, 20 Abril, 2017

THE RAINCOATS Fairytale In The Supermarket 7″

€ 9,50 7″ (RSD 2017) We Three

[audio:http://www.flur.pt/mp3/WE5-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/WE5-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/WE5-3.mp3]

Arranque para as Raincoats, em reedição com capa de papel que reproduz o original (1979). O som desconjuntado, que ecoava talvez o que as Slits faziam, é bem exemplificado por “In Love”, uma confusa balada distorcida sobre estar apaixonado, com vozes no limite, quase do fundo da garagem. “Adventures Close To Home” mapeia também um percurso pessoal, mental, em tom profundamente indie dissonante, um campo de experiências pop que não terminou ali – consegue ouvir-se durante a década de 80, numa espécie de compromisso entre Captain Beefheart e o passe verde de permissão que o pós-punk entregou a quem formava bandas e estivesse disponível a arriscar (ou, simplesmente, fosse diferente da média). Rude, genuíno, bonito.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 1 Outubro, 2015

THE RAINCOATS The Raincoats CD / LP

€ 12,50 CD We Three

€ 18,95 LP (2015 reissue) We Three

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP3CLIP3

As Raincoats têm um significado especial para nós portugueses. É aquela coisa de “portugueses no mundo”, Ana da Silva era um dos elementos deste quarteto (neste disco, depois passaram a trio com a saída de Palmolive em Julho de 1979). “The Raincoats” é um disco que se enfia naquele complicado processo entre o punk e o pós-punk (talvez o disco definitivamente pós-punk é o seguinte, “Odyshape”) e no processo de enfiar as coisas em género, pensar em inovação, talvez as Raincoats tenham sido sempre ultrapassadas por outras coisas que aconteceram na altura. A verdade é que tanto este disco como “Odyshape” são grandes discos, tanto ali, naquele período, como agora. Este é um disco cru, sem a raiva ou 100% dos processos do punk, mas com uma base bastante simples e canções bem realizadas e bastante orelhudas. Há os clássicos inevitáveis, como “Fairytale In The Supermarket”, “Lola” (uma versão dos Kinks) ou “The Void”. Há um desespero e uma pobreza encantadora na forma como cantam, próximo de um refinado desleixo que funciona na perfeição com as vozes, por vezes desalinhadas, raramente afinadas, mas com uma liberdade fustigadora que ora transmite felicidade ora entra no desespero (“The Void” é o melhor exemplo). Certo é que é sempre contagiante.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 18 Novembro, 2011

THE RAINCOATS Odyshape CD / LP

€ 16,50 € 12,50 CD (Reedição) We Tree  ENCOMENDAR

€ 18,50 € 14,50 LP (Reedição) We Tree  ENCOMENDAR

[audio:http://www.flur.pt/mp3/WE4-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/WE4-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/WE4-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/WE4-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/WE4-5.mp3]

Eis-nos de volta às Raincoats, um dos grupos seminais da viragem de década – setenta para os oitentas -, quando o rock começava a viver sozinho, depois de sair dos seus pais punk. Nesta época de novas ideias, tanto em Nova Iorque como em Londres, ficaram escritos alguns dos álbuns mais importantes das últimas décadas, discos esses recorrentemente lembrados e referenciados. E as Raincoats ficaram para sempre num local especial do nosso coração porque o duo central tinha sangue bem português – Ana Da Silva tinha ido para Londres estudar arte quando, inevitavelmente, a música aconteceu. Gina Birch foi a sua parceira, e pelo resto da formação foram gravitando outros ilustres de então – Palmolive, das Slits, fez parte do primeiro álbum, homónimo. “Odyshape” é o segundo álbum, e é inevitável não percebermos a mão de ouro de Charles Hayward – que, com os seus This Heat, fazia a história também girar sobre a sua música. Canções angulares, cheias de espaços e zonas livres, sons fora de sítio, Robert Wyatt, malhas hipnóticas, jogo incrível entre electricidade e o acústico, e um produção certeira à época que faz de “Oddyshape” um álbum clássico com todas as letras. Agora recuperado, mais uma vez – com óptimo som, com palavras bonitas de Kim Gordon, com fotos de familia -, para voltar a girar lá em casa.

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , / / Comentar: aqui »